Bandeiras do País Basco e da Catalunha proibidas no Eurobasket

Órgão que tutela o basquetebol a nível mundial diz que vai abrir um inquérito

O Eurobasket, maior competição europeia de seleções de basquetebol, arrancou na passada quinta-feira e está já envolto em polémica. A realizar-se na Turquia, Finlândia, Israel e Roménia, foi precisamente neste país que alguns adeptos espanhóis se viram envolvidos numa situação mais desagradável.

Oito amigos espanhóis deslocaram-se até Cluj-Napoca para ver a estreia do seu país na competição (Espanha venceu Montenegro) e foram vestidos a rigor. No entanto, alguns dos adereços ficaram à porta do pavilhão.

Um dos espanhóis, chamado Maider, levava uma bandeira com referências a Bilbau, a sua terra natal. "Nada de bandeiras com alusões ao País Basco ou à Catalunha", foi-lhe dito por quem assegura a segurança da competição, de acordo com o El Mundo.

As que referiam Salamanca, Valladolid, ou qualquer outra cidade, bem como "Força Llull", um dos craques espanhóis, mas que está lesionado, não tiveram qualquer problema.

O El Mundo ???????contactou as autoridades espanholas na Roménia, e não existia qualquer diretiva sobre o assunto. A Federação Internacional de Basquetebol (FIBA) tem à porta dos pavilhões a informação de que apenas bandeiras oficiais dos países podem entrar.

Fontes da FIBA também negam que existam ordens específicas relativamente ao assunto e que até será aberto um inquérito sobre o sucedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.