Davide Astori terá morrido por causas naturais

Davide Astori sofreu no domingo uma "morte cardíaca", devido a uma bradiarritmia", provavelmente por causas naturais, de acordo com as primeiras conclusões da autópsia hoje realizada.

A autópsia ao capitão da Fiorentina, que morreu no domingo, revela que este sofreu uma paragem cardíaca. No entanto, serão necessários mais exames para descobrir o que a provocou.

"Com base na autópsia realizada no dia 6 de março de 2018 ao corpo de Davide Astori é possível indicar um problema cardíaco como causa da morte, sem evidência macroscópica, provavelmente com base numa bradirritmia, com congestão polivisceral e edema pulmonar. Para o diagnóstico definitivo, serão necessários exames histológicos detalhados", diz o documento.

O corpo do jogador estará na quarta-feira em câmara ardente, no centro técnico de Coverciano, da Federação italiana, em Florença. O funeral terá lugar na Basílica de Santa Cruz, em Florença, na quinta-feira.

Hoje, os jogadores da Fiorentina homenagearam hoje o seu capitão, que foi encontrado morto no quarto de hotel em que a sua equipa se encontrava em estágio, no domingo, ao colocar no gradeamento do Estádio Artemio Franchi uma camisola do futebolista assinada por todos os membros do plantel.

Os futebolistas do clube italiano, que voltaram hoje a treinar após a morte de Astori, saíram do centro de treinos e caminharam até ao Estádio, onde penduraram uma camisola de Davide, com o número 13, assinada por toda a equipa, juntamente com flores e uma mensagem de apoio.

A iniciativa foi acompanhada por alguns adeptos que também se reuniram no local e que gritaram mensagens de força e apoio ao plantel.

A Fiorentina anunciou hoje na sua conta oficial do Twitter que, em conjunto com o Cagliari, que a camisola número 13 será retirada e não voltará a ser usada por outro jogador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.