Aurélio Pereira distinguido com a Ordem de Mérito da UEFA

O homem que descobriu Ronald, Figo, Quaresma, Nani, Futre ou Simão foi este domingo distinguido por proposta pelo organismo que superintende o futebol europeu por proposta da Federação Portuguesa de Futebol

O responsável pelo departamento de formação e prospeção do Sporting, Aurélio Pereira, foi este domingo distinguido, por proposta da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), com a Ordem de Mérito da UEFA, uma das mais altas honras deste organismo.

A cerimónia de atribuição da Ordem de Mérito, que premeia o enorme contributo de Aurélio Pereira para o desenvolvimento do futebol português e europeu, realizou-se no jantar do Congresso da UEFA, em Bratislava, e foi recebida pela filha Mafalda Pereira.

O prémio surge na sequência de uma proposta da FPF à UEFA, na qual foram destacados os quase 50 anos de serviço ao Sporting Clube de Portugal, primeiro como treinador e, mais tarde, como chefe do departamento de scouting, que chefia há já 29 anos.

Na mesma carta que enviou para Nyon, a FPF destacou o "minucioso trabalho de recolha de informação sobre jogadores e o seu posterior desenvolvimento desportivo", lembrando que esse trabalho resultou na "descoberta de talentos mundiais como os de Paulo Futre, Simão Sabrosa, Quaresma, Nani ou os vencedores da Bola de Ouro Luís Figo e Cristiano Ronaldo".

A FPF enalteceu, ainda, o exemplo que Aurélio Pereira representa para todo o futebol nacional, e recordou que 10 dos jogadores que conquistaram, em 2016, o título europeu foram descobertos pelo departamento chefiado por Aurélio Pereira.

Em declarações ao sítio da FPF, Aurélio Pereira confessou sentir "enorme orgulho" pela distinção: "Não sei se a mereço, mas sei que gostei muito de ser reconhecido. Ninguém faz nada sozinho e queria agradecer a todos os que me ajudaram neste trabalho. É uma vitória de todos e, como diria o professor Moniz Pereira, valeu a pena".

"Saber que também dei a minha contribuição para a forma excelente como a FPF trabalha a formação é um orgulho. As nossas atuais seleções são o espelho de como se trabalha na FPF", disse Aurélio Pereira.

Por seu lado, o presidente da FPF, Fernando Gomes, elogiou a decisão da UEFA: "É uma figura marcante da história recente do nosso futebol. Pelo seu trajeto como jogador, como treinador e depois como grande responsável da criação do departamento de scouting do Sporting, onde descobriu valores como o Cristiano e o Figo, mas também outros que ainda recentemente tiveram oportunidade de participar no Europeu em França e que brilhantemente conquistaram o título Europeu de 2016, tais como Rui Patrício, Adrien e William Carvalho."

O líder federativo lembrou ainda a relação do homenageado com o Sporting e o seu contributo para o futebol nacional: "Não podemos deixar de referenciar esta figura ímpar do futebol do Sporting, mas acima de tudo do futebol português. Uma figura que tantos bons atletas tem potenciado ao mais alto nível, no sentido de representar condignamente não só o seu clube, mas também o futebol nacional."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.