Lorena Bazolo desiludida com eliminação na primeira ronda

A velocista portuguesa mostrou-se esta sexta-feira desiludida com o desempenho na eliminatória dos 60 metros no Campeonatos do Mundo de pista coberta em Birmingham, onde falhou a qualificação para a meia-final.

"Muito [desiludida]. Não esperava esta marca porque estava a sentir-me bem, estava preparada para fazer uma boa marca. Não saiu", disse aos jornalistas, após a prova.

A velocista do Sporting chegou à competição com o tempo 7,27 segundos, mas na prova ficou-se pelos 7,39, ficando-se pelo 34.º lugar entre as 47 concorrentes das seis séries.

A atleta não encontrou justificação para o desempenho abaixo do esperado e que impossibilitou a qualificação para a próxima ronda, como era o seu objetivo para estes Mundiais e que teria sido possível se tivesse corrido ao seu melhor nível.

"Acho que eu não parti mal. Se calhar foi no nível do desenvolvimento, não consegui desenvolver bem. Estava a sentir-me bem. Às vezes estamos à espera de uma marca e quando menos esperamos é que as marcas saem, mas hoje não foi o meu dia", declarou.

A francesa Carolle Zahi foi quem fez o melhor tempo geral, alcançando uma nova marca pessoal nos 7,11, seguida pela costa-marfinense Murielle Ahoure (7,12) e a suíça Mujinga Kambundji (7,15).

A jamaicana Gabon Evans (7,33), a suíça Ajla del Ponte (7,31) e a britânica Bianca Williams (7,31) foram as atletas que se qualificaram com os tempos menos rápidos.

Portugal participa nos Mundiais de pista coberta, que se realizam entre 1 e 4 de março em Birmingham, Reino Unido, com oito atletas: Nelson Évora (triplo salto), Tsanko Arnaudov (lançamento do peso), Cátia Azevedo (400 metros e 4x400 metros), Lorene Bazolo (60 metros), Dorothe Évora, Filipa Martins e Rivinilda Mentai (4x400 metros), e Lecabela Quaresma (pentatlo).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.