Lorena Bazolo desiludida com eliminação na primeira ronda

A velocista portuguesa mostrou-se esta sexta-feira desiludida com o desempenho na eliminatória dos 60 metros no Campeonatos do Mundo de pista coberta em Birmingham, onde falhou a qualificação para a meia-final.

"Muito [desiludida]. Não esperava esta marca porque estava a sentir-me bem, estava preparada para fazer uma boa marca. Não saiu", disse aos jornalistas, após a prova.

A velocista do Sporting chegou à competição com o tempo 7,27 segundos, mas na prova ficou-se pelos 7,39, ficando-se pelo 34.º lugar entre as 47 concorrentes das seis séries.

A atleta não encontrou justificação para o desempenho abaixo do esperado e que impossibilitou a qualificação para a próxima ronda, como era o seu objetivo para estes Mundiais e que teria sido possível se tivesse corrido ao seu melhor nível.

"Acho que eu não parti mal. Se calhar foi no nível do desenvolvimento, não consegui desenvolver bem. Estava a sentir-me bem. Às vezes estamos à espera de uma marca e quando menos esperamos é que as marcas saem, mas hoje não foi o meu dia", declarou.

A francesa Carolle Zahi foi quem fez o melhor tempo geral, alcançando uma nova marca pessoal nos 7,11, seguida pela costa-marfinense Murielle Ahoure (7,12) e a suíça Mujinga Kambundji (7,15).

A jamaicana Gabon Evans (7,33), a suíça Ajla del Ponte (7,31) e a britânica Bianca Williams (7,31) foram as atletas que se qualificaram com os tempos menos rápidos.

Portugal participa nos Mundiais de pista coberta, que se realizam entre 1 e 4 de março em Birmingham, Reino Unido, com oito atletas: Nelson Évora (triplo salto), Tsanko Arnaudov (lançamento do peso), Cátia Azevedo (400 metros e 4x400 metros), Lorene Bazolo (60 metros), Dorothe Évora, Filipa Martins e Rivinilda Mentai (4x400 metros), e Lecabela Quaresma (pentatlo).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.