Estafefa portuguesa "deu tudo" e bateu o recorde nacional 4x400 metros

Filipa Martins, Cátia Azevedo, Rivinilda Mentai e Dorothe Évora retiraram 6,08 segundos ao anterior melhor registo.

A estafeta portuguesa "deu tudo" e bateu o recorde nacional dos 4x400 metros nos Mundiais de atletismo de pista coberta, em Birmingham, este sábado, correndo ainda mais rápido do que esperava.

O quarteto composto por Filipa Martins, Cátia Azevedo, Rivinilda Mentai e Dorothe Évora terminou a prova com a marca de 3.35,43 minutos, tirando 6,08 segundos ao anterior melhor registo (3.41,51 minutos), de um quarteto do Sporting.

Apesar da frustração por não ficarem no lote das seis finalistas, Filipa Martins não escondeu a satisfação. "Superámo-nos por muito, não esperávamos este tempo. Nós corremos acima de tudo a pensar no recorde nacional", disse, no final, aos jornalistas.

Numa eliminatória que incluía as equipas da Jamaica, Ucrânia e Polónia, candidatas ao pódio, o ritmo foi rápido, o que deixou as portuguesas no último lugar, atrás da República Checa, e em oitavo da geral, apenas à frente do Cazaquistão.

O quarteto luso era o menos forte dos nove que estiveram em pista, tendo chegado a Birmingham com um tempo oficial de 3.42.60 minutos, sendo que a soma dos melhores tempos do ano de cada uma das lusas era de 3.38,91.

"Todas corremos muito bem estamos felizes, acima de tudo. Foi isso que nos trouxe, os '3.35'. Trabalhámos imenso para este resultado e fomos felizes", vincou Filipa Martins.

Cátia Azevedo salientou, por seu lado, a importância de a equipa nacional incluir as mais rápidas de cada clube, o que potencia o desempenho coletivo."Em seleção, corre sempre muito bem, porque as melhores ficam juntas e quando as mulheres se juntam, só pode acontecer o melhor", disse a atleta do Sporting, que se redimiu do desempenho na véspera nos 400 metros, em que ficou aquém do desejado.

"O dia de ontem (sexta-feira) foi muito mau e quando nós acreditamos que estamos em boa forma, não vir aqui demonstrar é o pior sentimento que se pode ter. Eu desperdicei uma grande oportunidade ontem (sexta-feira) e não fiz a melhor corrida. Vim para aqui um bocadinho desolada, por isso é bom este recorde", confessou.

Quanto a Rivinilda Mentai, admitiu que também estava nervosa antes da prova, mas que o espírito de grupo fê-la querer "dar tudo" pela equipa. "Estava muito stressada na câmara de chamada, mas quando entrei na pista já não pensei nisso, pensei em dar o dar o melhor para a equipa. Fizemos uma boa marca, o que prova que podemos melhorar", afirmou.

Para Dorothe Évora, a quem coube o trecho final, este desempenho coloca um novo recorde no horizonte, se as quatro continuarem a evoluir individualmente:"Agora, o objetivo de cada uma vai ser (fazer) individualmente a preparação para o ar livre e, se der, no Campeonato da Europa em Berlim, é voltarmos a bater os nossos tempos pessoais para que o resultado final seja ainda melhor do que este.".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.