Árbitro sueco Jonas Eriksson dirige FC Porto-Mónaco

O árbitro sueco Jonas Eriksson vai dirigir a receção do FC Porto aos franceses do Mónaco, na quarta-feira, para a sexta e última jornada do Grupo G da Liga dos Campeões de futebol, indicou hoje a UEFA.

Jonas Eriksson, de 43 anos, que arbitrou a meia-final do Euro2016 entre Portugal e o País de Gales (2-0), em França, depois de também ter estado no triunfo luso na Albânia (1-0), na qualificação para a prova continental, dirige pela terceira vez um jogo do FC Porto.

O sueco esteve no triunfo do FC Porto frente aos suíços do Basileia (4-0) e na derrota caseira com os ingleses do Chelsea (1-0), para as edições da Liga dos Campeões de 2014/15 e 2009/10, respetivamente.

O FC Porto entra para a derradeira jornada da fase de grupos na segunda posição, com os mesmos sete pontos dos alemães do Leipzig, que seguem no terceiro posto, e a quatro do líder Besiktas, de Ricardo Quaresma e Pepe. O Mónaco, do treinador luso Leonardo Jardim, é quarto, com dois pontos, e já está eliminado.

Na Liga Europa, a UEFA nomeou o árbitro alemão Daniel Siebent para a receção do Vitória de Guimarães ao Konyaspor, na quinta-feira, para o Grupo I, e o escocês John Beaton para a deslocação do Sporting de Braga a casa do Basaksehir, para o C.

Daniel Siebent, de 33 anos, vai dirigir pela primeira vez um encontro de um clube português, tal como John Beaton, de 35, embora ambos contem nos seus currículos com presenças em jogos da seleção portuguesa de sub-19.

À entrada para a última jornada da fase de grupos, o Sporting de Braga lidera o C, com 10 pontos, seguido do Ludogorets, com oito, a formação turca soma cinco e o Hoffenheim quatro.

O Vitória de Guimarães ocupa o quarto lugar do Grupo I, com quatro pontos, a sete do líder Salzburgo. O Marselha segue no segundo posto, com sete, e o Konyaspor no terceiro, com cinco.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.