Os árbitros para FC Porto-Desportivo das Aves e Sporting-Paços de Ferreira

Nuno Almeida no FC Porto-Desportivo das Aves, Bruno Esteves no Sporting-Paços de Ferreira

O árbitro Nuno Almeida, da Associação de futebol do Algarve, dirige hoje o jogo entre FC Porto e Desportivo das Aves, e Bruno Esteves, de Setúbal, estará na receção do Sporting ao Paços de Ferreira.

As nomeações para estes jogos da 29.ª jornada da I Liga de futebol foram hoje divulgadas pelo Conselho de arbitragem, com Nuno Almeida a ter no estádio do Dragão (18:00), os árbitros assistentes António Godinho e Paulo Ramos, e Vasco Santos no vídeoárbitro.

No estádio José Alvalade, em jogo com início marcado para as 20:15, Bruno Esteves terá como assistentes Rui Teixeira e Rui Cidade, e na qualidade de VAR o árbitro Hélder Malheiro.

Para outro jogo do 'dia', o CA da Federação Portuguesa de Futebol nomeou António Nobre, da Associação de Leiria, para a receção do Desportivo de Chaves (8.º) ao Belenenses (11.º), a partir das 16:00.

O FC Porto (2.º classificado) recebe o Desportivo das Aves (15.º), depois de ter visto no sábado à noite o Benfica vencer em Setúbal (2-1) e dilatar, com mais um jogo, a vantagem na liderança da I Liga para quatro pontos.

Na receção ao Paços de Ferreira (13.º), o Sporting (3.º) entra em Alvalade depois de dias de 'convulsão', num diferendo entre o presidente do clube e os jogadores.

Bruno de Carvalho criticou na quinta-feira as exibições de alguns jogadores do Sporting, a seguir à derrota em casa do Atlético de Madrid (2-0), na Liga Europa.

Na sexta-feira, 19 jogadores do plantel, entre os quais Rui Patrício, William Carvalho, Coates, Gelson Martins e Bruno Fernandes, divulgaram um comunicado em que manifestaram "desagrado" com as críticas do presidente do clube.

Em resposta, Bruno de Carvalho partilhou um texto no Facebook, visível para os seus amigos na rede social, em que suspendia os jogadores que subscreveram um comunicado e fazia saber que teriam de enfrentar a disciplina do clube.

No sábado, o treinador da equipa, Jorge Jesus, afirmou que os futebolistas não receberam qualquer nota de suspensão por parte do clube e garantiu que Bruno de Carvalho lhe deu "liberdade para convocar os jogadores" que entendesse para o jogo de domingo com o Paços de Ferreira, da 29.ª jornada da I Liga, no Estádio José Alvalade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.