Árbitro do Sporting-Benfica agredido com um "pau e uma arma"

Sérgio Magalhães, um dos árbitros que apitou o jogo de futsal entre Sporting e Benfica, foi agredido perto do seu local de trabalho

O árbitro de futsal Sérgio Magalhães foi agredido ao chegar ao seu local de trabalho, na manhã desta segunda-feira, "por um indivíduo com um pau e uma arma", refere o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol. O terceiro árbitro do jogo 3, entre Sporting e o Benfica, da final do campeonato de futsal recebeu tratamento hospitalar após a agressão.

O Conselho de Arbitragem está a prestar todo o apoio ao árbitro Sérgio Magalhães num momento grave e inaceitável

Em comunicado, publicado no site oficial, o Conselho de Arbitragem da FPF reitera que "repudia este ato de violência e sublinha que o incitamento ao ódio, que continua a ser praticado repetidamente em Portugal, não pode ser dissociado deste tipo de incidentes". O Conselho esclarece também que esta agressão já foi reportada às autoridades policiais.

Sérgio Magalhães integrou a equipa de arbitragem do jogo ganho pelo Benfica, por 6-9, no passado domingo, que decorreu no Pavilhão João Rocha

"O Conselho de Arbitragem está a prestar todo o apoio ao árbitro Sérgio Magalhães num momento grave e inaceitável, que nenhum agente desportivo merece viver", lê-se no comunicado.

Sérgio Magalhães integrou a equipa de arbitragem do jogo ganho pelo Benfica, por 6-9, no passado domingo, que decorreu no Pavilhão João Rocha. A par de Sérgio Magalhães, Tiago Silva, Wilson Soares e Bruno Araújo apitaram encontro que contou com cinco expulsões.

No terceiro jogo da final do campeonato nacional, os jogadores leoninos Fortino, Djo, Deo e o treinador do Sporting, Nuno Dias foram expulsos, assim como Bruno Pinto, da equipa encarnada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.