Árbitro ameaçou de expulsão quem falasse basco

É um caso sui generis mas terá acontecido num encontro do quinto escalão numa partida que opôs duas equipas bascas, Idiazabal e Elgoibar

Nunca um jogo do quinto escalão do futebol espanhol deu tanto que falar. No último sábado Idiazabal e Elgoibar encontraram-se em mais uma partida do campeonato, mas antes do início da partida o árbitro andaluz Manuel Sarrión Gonzalez fez uma advertência: se algum jogador falasse euskera, o dialeto basco, seria imediatamente expulso.

A verdade é que os futebolistas acataram a decisão e pronunciaram-se, dentro das quatro linhas, em castelhano para prevenir males maiores.

O presidente do Idiazabal, Matias Aranburu, ainda tentou explicar ao árbitro que esse era o idioma usado diariamente por todos os envolvidos mas Sarrión Gonzalez manteve-se imperturbábel argumentando que se os jogadores se manifestassem em euskera não perceberia os insultos.

Os dois clubes mostram-se arrependidos de não terem forçado o adiamento da partida e agora estudam uma posição de força que culmine na suspensão do árbitro, que já veio a terreiro confirmar que pediu para qe se falasse em castelhano mas garantindo que não ameaçou os jogadores se falassem o idioma local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.