Árbitro agredido quer voltar a arbitrar logo que puder

José Rodrigues diz que não é o que se passou no encontro entre o Rio Tinto e o Canelas 2010 que o vai afastar da arbitragem

Em declarações ao site da Federação Portuguesa de Futebol (fpf.pt), o juiz portuense agradeceu o apoio recebido e diz que o seu principal foco é "recuperar bem e voltar a apitar".

"Sou árbitro de competições nacionais e distritais há muitos anos mas sei que este episódio não representa a realidade que vivo todos os dias nos campos. Nunca me tinha acontecido nada parecido sequer", explicou José Rodrigues, que foi agredido com uma joelhada no nariz pelo jogador do Canelas 2010 Marco Gonçalves, que é também elemento da claque Super Dragões.

Em recuperação, já em casa, o árbitro experiente revelou vontade de voltar aos campos no mais curto espaço de tempo possível: "Nesta altura só penso em recuperar bem. Assim que tiver autorização médica vou voltar a apitar. É a atividade que mais gosto e não será o que se passou no fim de semana que me vai afastar da arbitragem", comentou.

José Rodrigues também agredeceu as muitas mensagens de apoio recebidas no último domingo: "Gostava de aproveitar esta oportunidade para agradecer as inúmeras mensagens que recebi por parte de colegas ou pessoas ligadas à arbitragem ou até pessoas que não conheço, mas julgo estarem ligadas à arbitragem", finalizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.