Arábia supera marcas de Salah e El-Hadary

Mais velho jogador de sempre num Mundial não evitou reviravolta dos sauditas.

O Egito aproveitou a despedida para proporcionar ao veterano guarda-redes Essam El-Hadary a entrada para a história, como o jogador mais velho (45 anos) a atuar num campeonato do mundo. Mas tirando esse recorde e a qualidade de Salah, a grande estrela planetária do futebol egípcio não mostrou ambição para mais neste Mundial da Rússia. Saiu justamente castigada pela vontade da Arábia Saudita, num duelo de seleções já eliminadas, na última jornada do grupo A.

Salah, o craque que chegou "atrasado" a este Mundial, falhando o jogo de estreia com o Uruguai devido à lesão sofrida ao serviço do Liverpool na final da Liga dos Campeões, ainda teve tempo para deixar a sua marca. Depois do golo de penálti na derrota com a Rússia, o avançado egípcio inaugurou esta segunda-feira o marcador contra a Arábia Saudita, numa bela finalização (em chapéu) de um contragolpe. Mas o Egito do ultraconservador técnico argentino Hector Cúper nunca quis arriscar mais do que os lançamentos rápidos para Salah e acabou castigado pela coragem da Arábia Saudita em...jogar à bola.

El-Hadary ainda assinalou a estreia histórica com a defesa a um penálti de Fahad, aos 41", mas antes do intervalo novo castigo máximo daria o empate aos sauditas (Salman Al Faraj). Na segunda metade, a insistência da seleção do Médio Oriente seria premiada já mesmo sobre o apito final (90+5"), com um golo de Salem.

A Arábia Saudita festejou uma vitória que já não conseguia, em mundiais, desde a estreia em 1994. Para o Egito, ainda não foi desta: cinco derrotas e dois empates, em três edições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.