Arábia supera marcas de Salah e El-Hadary

Mais velho jogador de sempre num Mundial não evitou reviravolta dos sauditas.

O Egito aproveitou a despedida para proporcionar ao veterano guarda-redes Essam El-Hadary a entrada para a história, como o jogador mais velho (45 anos) a atuar num campeonato do mundo. Mas tirando esse recorde e a qualidade de Salah, a grande estrela planetária do futebol egípcio não mostrou ambição para mais neste Mundial da Rússia. Saiu justamente castigada pela vontade da Arábia Saudita, num duelo de seleções já eliminadas, na última jornada do grupo A.

Salah, o craque que chegou "atrasado" a este Mundial, falhando o jogo de estreia com o Uruguai devido à lesão sofrida ao serviço do Liverpool na final da Liga dos Campeões, ainda teve tempo para deixar a sua marca. Depois do golo de penálti na derrota com a Rússia, o avançado egípcio inaugurou esta segunda-feira o marcador contra a Arábia Saudita, numa bela finalização (em chapéu) de um contragolpe. Mas o Egito do ultraconservador técnico argentino Hector Cúper nunca quis arriscar mais do que os lançamentos rápidos para Salah e acabou castigado pela coragem da Arábia Saudita em...jogar à bola.

El-Hadary ainda assinalou a estreia histórica com a defesa a um penálti de Fahad, aos 41", mas antes do intervalo novo castigo máximo daria o empate aos sauditas (Salman Al Faraj). Na segunda metade, a insistência da seleção do Médio Oriente seria premiada já mesmo sobre o apito final (90+5"), com um golo de Salem.

A Arábia Saudita festejou uma vitória que já não conseguia, em mundiais, desde a estreia em 1994. Para o Egito, ainda não foi desta: cinco derrotas e dois empates, em três edições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...