Apostas suspensas pela primeira vez num jogo da I Liga

O Feirense-Rio Ave foi retirado das casas de apostas nacionais devido a uma alegada aposta de 100 mil euros na vitória caseira

O Feirense-Rio Ave de ontem entra para a história do futebol português por ser o primeiro jogo do escalão principal a ser anulado nas casas de apostas, submetidas à legislação portuguesa, por alegados movimentos suspeitos.

Não se conhecem em rigor quais os movimentos que fizeram soar o alarme, mas fonte da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que tutela o Placard, adiantou ao DN que a primeira casa a suspender as apostas foi a BetClic, uma das duas casas de apostas online - a outra é a Bet.pt, que seguiu o exemplo da concorrente e da Placard.

Ontem, pouco depois de todas as apostas relativas ao Feirense-Rio Ave terem sido suspensas, o jornal O Jogo adiantava que o movimento que desencadeou a suspensão ter-se-á dado na Póvoa de Varzim, quando um cidadão de nacionalidade chinesa apostou 100 mil euros na vitória simples do Feirense - facto e valor não confirmados por fonte da Santa Casa ao DN.

Para se perceber melhor este assunto, diga-se que o Departamento de Jogos da Santa Casa emitiu um comunicado em que falava do "volume atípico de apostas registado e do risco financeiro envolvido, cumprindo o disposto no art. 19.º, alínea 8 da portaria que regulamenta o jogo Placard".

Pode entender-se por esta informação que a aposta suspeita foi feita no Placard. Adiante-se que a aposta máxima permitida por boletim é de 100 euros. E que "risco financeiro" a Santa Casa veicula na alínea 8 do artigo 19.º? "A aceitação de apostas relativas a um dos prognósticos de um determinado tipo de apostas pode ser suspensa a qualquer momento pelo Departamento de Jogos quando os prémios a pagar se tornem superiores aos montantes totais apostados para a totalidade dos prognósticos referentes àquele tipo de aposta."

Esta não é a primeira vez que um encontro da I Liga é alvo de suspeição, mas é o primeiro a ver as apostas suspensas por movimentos atípicos. Em junho de 2015, a Federbet, organismo que monitoriza as apostas online, apresentou um relatório anual no qual era mencionado o Benfica-Penafiel da época 2014--2015 e que os encarnados venceram 4-0, como suspeito de viciação de resultado devido ao "movimento louco" de apostas que apontavam para uma vitória do Benfica por, pelo menos, quatro golos. Em maio do ano passado, no âmbito da Operação Jogo Duplo, a Polícia Judiciária deteve, por suspeitas de resultados combinados, o presidente e o secretário técnico do Leixões e ainda jogadores da Oliveirense e do Oriental, clubes que militavam na altura na II Liga.

A 4 de dezembro passado, o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) pediu à Liga de Clubes a suspensão de seis futebolistas envolvidos neste processo Jogo Duplo: Ansumane (Felgueiras), Pedro Oliveira (Gafanha), Carela (Estarreja), Moedas (Águeda) , que à época representavam a Oliveirense, e Rafael Veloso (Belenenses e André Almeida (Real), detidos quando defendiam as cores do Oriental. Todos estes futebolistas estão proibidos de exercer em Portugal.
Feirense sobe na tabela

Dentro do campo e sob o olhar do presidente da Liga, Pedro Proença, o Feirense acabou por triunfar por 2-1, tendo chegado à vantagem aos seis minutos com um grande golo de Platiny. Na segunda parte, Karamanos fez o 2-0 e Gonçalo Paciência reduziu para o Rio Ave, que estreou o leão Petrovic. Confrontado com a suspensão das apostas neste jogo, o treinador do Rio Ave, Luís Castro, referiu: "A imprensa deve pautar-se sempre pela verdade, rigor e ética. Suspeitar-se de resultado combinado, como se leu, é pôr em causa os profissionais que hoje disputaram este jogo."

Relacionadas

Últimas notícias

Helena Freitas liderou a Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), uma aposta pessoal do primeiro-ministro, António Costa, para coordenar o Programa Nacional de Coesão do Território (PNCT) e lançar bases sólidas para uma descentralização e reversão das desigualdades entre regiões do país. Mas a catedrática descobriu nos decisores políticos uma "inércia e incapacidade de concretizar brutais". Voltou, em junho passado, à universidade de Coimbra, onde é catedrática e assistiu nesta semana, com "perplexidade", ao caso do Infarmed.

Partilhar

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Desporto
Pub
Pub