Antigo dono de equipa de Contador critica retirada do ciclista espanhol

Espanhol vai retirar-se depois da Volta a Espanha

O russo Oleg Tinkov, proprietário da Tinkoff, equipa a que pertenceu o ciclista espanhol Alberto Contador, criticou esta segunda-feira o trepador, que anunciou a retirada após a Volta a Espanha.

Segundo o milionário russo, que comentou o anúncio do abandono do 'pistoleiro' na rede social Twitter, Contador devia ter-se retirado "como um campeão", e não ter continuado a correr por "dois milhões extra".

"Dois milhões extra justificam a imagem que perdeste? Aprende com o Cancellara, que se retirou como um campeão", apontou Tinkov, fazendo alusão ao suíço Fabian Cancellara, que se retirou em 2016 depois de conseguir a terceira medalha de ouro em Jogos Olímpicos, no Rio2016.

Contador, de 34 anos, fez o anúncio da retirada num vídeo publicado nas suas contas oficiais nas redes sociais.

"Digo-o feliz e não com pena. É uma decisão muito bem ponderada e não creio que haja melhor despedida na corrida de casa, no meu país", disse o trepador da Trek Segafredo, onde é colega de equipa de André Cardoso.

Este ano, Contador foi nono na Volta a França, preparando-se para se retirar numa prova que venceu três vezes (2008, 2012 e 2014), arrancando com um contrarrelógio por equipas na cidade francesa de Nimes, a 19 de agosto.

Contador considerou hoje que vai poder viver "três semanas de sonho" durante a 'Vuelta', que termina a 10 de setembro, e que espera "desfrutar do carinho dos adeptos" no último desafio da carreira.

Para além da prova espanhola, Contador tem também no currículo duas vitórias na Volta a França, em 2007 e 2009, e outras duas na Volta a Itália, em 2008 e 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.