Andy Murray deve perder o resto da temporada

O tenista britânico, número dois do mundo, anunciou esta quarta-feira que "provavelmente" não vai jogar mais até ao final da temporada, devido a uma lesão na anca

"Infelizmente, não estarei em condições de disputar os próximos torneios de Pequim e de Xangai, e muito provavelmente os dois últimos torneios do final de época, Viena e Paris, devido à minha lesão na anca", escreveu Andy Murray na sua página no Facebook.

O escocês sublinhou que, depois de conversar com muitos especialistas e com a sua equipa durante a última semana, concluiu-se que esta era a melhor decisão para o seu futuro.

O britânico, de 30 anos, que se tinha retirado dois dias antes do início do US Open, não joga desde o torneio de Wimbledon, em junho, no qual foi eliminado pelo americano Sam Querrey nos quartos de final.

Murray terminou o ano passado como número um do mundo, mas acabou por ser ultrapassado pelo espanhol Rafael Nadal em agosto de 2017, numa época em que a lesão na anca tem afetado o seu rendimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...