Primeira meia-final para Anderson e choque de gerações no feminino

O sul-africano Kevin Anderson qualificou-se pela primeira vez para as meias-finais de um torneio do 'Grand Slam', ao derrotar o norte-americano Sam Querrey esta quarta-feira, nos quartos de final

Lusa
© Geoff Burke-USA TODAY Sports

Anderson, 32.º do 'ranking' mundial, bateu Querrey por 7-6 (7-5), 6-7 (9-11), 6-3 e 7-6 (9-7) e, aos 31 anos, chega finalmente aos últimos quatro de um 'major', juntando-se ao espanhol Pablo Carreño Busta, seu adversário na sexta-feira no torneio de Nova Iorque.

O encontro entre dois dos 'bombardeiros' do circuito foi uma 'batalha' de potentes serviços e grandes pancadas do fundo do 'court', que durou três horas e 27 minutos. O sul-africano terminou com 22 ases (10 para Querrey) e 67 'winners' (44 para o americano).

"Foi um encontro incrível. Trabalhei muito para atingir este objetivo ao longo da carreira. Agora vou desfrutar um dia, antes de pensar na meia-final", afirmou o sul-africano de 2,02 metros, que é o primeiro jogador do seu país a chegar às 'meias' de um torneio do 'Grand Slam', depois de Wayner Ferreira no Open da Austrália de 2003. No US Open não acontecia desde 1965, ano em que Clifff Drysadale atingiu essa fase.

Agora, vai ter pela frente outro estreante em meias-finais, Carreño Busta, 19.º da hierarquia, que bateu sem sobressaltos o argentino Diego Schwartzman por 6-4, 6-4 e 6-2, ao cabo de duas horas, num encontro em que esteve sempre no controlo. O espanhol de 26 anos, vencedor do Estoril Open, continua sem perder um 'set' em Flushing Meadows.

Andereson e Carreño Busta beneficiaram da razia de favoritos do seu lado do quadro, devido às ausências de Novak Djokovic, Andy Murray ou Stan Wawrinka, detentor do título, e das eliminações de cabeças de série como Marin Cilic e Alexander Zverev.

No extremo oposto, Rafael Nadal, número um do mundo, e Roger Federer, terceiro, têm encontro 'previsto' para as meias-finais. Para isso, o espanhol terá de afastar hoje o russo Andrey Rublev (53.º), e o suíço precisa de ultrapassar o argentino Juan Martin del Potro.

No quadro feminino, há um choque de gerações em perspetiva na primeira meia-final, entre a mais velha das irmãs Williams, Venus, de 37 anos, e a também norte-americana Sloane Stephens, de 24, que tinha apenas quatro anos quando a sua próxima adversária se estreou no circuito, em 1997.

Vencedora do US Open em 2000 e 2001, Venus bateu a checa Petra Kvitova, 14.ª do 'ranking', por 6-3, 3-6 e 7-6 (7-2), e apurou-se para a 23.ª vez para as meias-finais de um dos quatro 'grandes' - terceira este ano após o Open da Austrália e Wimbledon.

Mais cedo, Sloane Stephens, 83.ª jogadora mundial, afastou a letã Anastasija Sevastova, 17.ª do 'ranking' WTA, vencendo por 6-3, 3-6 e 7-6 (7-4), após duas horas e meia, e qualificou-se pela segunda vez para as meias-finais de um 'major', após a presença entre as últimas quatro do Open da Austrália de 2013.

A norte-americana, que venceu 13 dos últimos 15 encontros disputados, teve de ser assistida na reta final do primeiro 'set', devido a um problema na perna direita, mas recuperou e conseguiu bater a letã, de 27 anos.

Nos outros encontros dos quartos de final, agendados para hoje, a checa Karolina Pliskova, líder do 'ranking' WTA, que procura uma terceira presença em meias-finais do 'Grand Slam', enfrenta a nova-iorquina CoCo Vandeweghe (22.ª), enquanto Madison Keys (16.ª), outra jogadora da casa, de apenas 22 anos, mede forças com a veterana estónia Kaia Kanepi, de 32, a menos cotada das jogadoras ainda em prova - 418.ª da tabela.