Espanha avisa com goleada e Brasil vence o fantasma alemão

Adversária de Portugal no grupo B do Mundial 2018, seleção espanhola humilhou Argentina com um histórico 6-1. Gabriel Jesus resgatou orgulho brasileiro frente à Alemanha

Rui Frias
Sergio Ramos beija a bota de Isco, que fez um hat-trick | foto REUTERS/Juan Medina
Kevin Trapp não conseguiu segurar cabeceamento de Gabriel Jesus | foto REUTERS/Fabrizio Bensch

Por todo o contexto histórico que o antecedia, o Alemanha-Brasil era naturalmente o prato forte da jornada de ontem de jogos de preparação, mas a goleada histórica da Espanha sobre a Argentina roubou o palco a essa "vingança" brasileira e deixou, sobretudo, um sério aviso a Portugal para a fase final do Mundial 2018, na qual a seleção espanhola é um dos adversários da equipa nacional.

Para a Argentina, as contrariedades começaram bem antes do apito inicial, durante o dia, quando foi confirmada a ausência de Lionel Messi, por se ter ressentido de lesão. Em campo, contudo, o golpe foi bem mais doloroso, com uma goleada como a seleção alviceleste não sofria desde a humilhação sob o comando de Diego Maradona nas alturas de La Paz, na Bolívia, em 2009: 6-1.

Foi um tratado de superioridade futebolística aquele que a seleção comandada por Julen Lopetegui, ex-treinador do FC Porto, aplicou ao conjunto de Jorge Sampaoli. E se a discussão ainda chegou aberta ao intervalo - graças a um golo de outro ex-portista, Otamendi, que aos 39 minutos reduzia o impacto dos golos de Diego Costa (que abriu o marcador logo aos 12 minutos) e Isco (27", o primeiro de um hat-trick numa noite memorável do jogador do Real Madrid) -, na segunda parte assistiu-se a um vendaval espanhol que foi ganhando expressão no marcador até aos 6-1 finais. Isco fez o 3-1 (52") e fechou depois a contagem (74"); Thiago Alcântara (55") e Iago Aspas (73") contribuiram para o score.

No final, Isco, que curiosamente passa uma fase menos positiva no Real Madrid, onde tem sido pouco utilizado por Zidane e é até dado como "transferível" no final da época, teve direito a levar a bola de jogo para casa, após ter feito o primeiro hat-trick da carreira. E a Espanha, que assinou a maior vitória da sua história sobre um ex-campeão do Mundo ou da Europa, é agora a seleção que se mantém há mais jogos consecutivos sem perder: 18.

Na Argentina, safou-se apenas... Messi.

Para memória futura, a Espanha jogou de início com: De Gea; Carvajal, Pique, Sergio Ramos, Alba; Thiago Alcântara, Koke, Iniesta; Isco, Diego Costa, Asensio.

Mas a Espanha não foi o único adversário de Portugal no Mundial a ganhar ontem. Pelo contrário, todos os rivais da seleção nacional no grupo B venceram os respetivos jogos de preparação. O Irão, de Carlos Queiroz, ganhou à Argélia por 2-1, com golos de Sardar Azmoun (11") e Mehdi Taremi (19"), contra um do argelino Farouk Chafai (56"). E Marrocos bateu o Usebequistão por 2-0, com golos de Ayoub Kaabi (3") e do antigo internacional português Manuel da Costa (42")

Jesus liberta o Brasil

Não se pode dizer que tenha sido propriamente uma vingança, dada a gigante diferença de resultado e circunstâncias - um triunfo de 1-0 num jogo particular não pode vingar uma derrota por 7-1 numa meia-final de um Mundial onde se surge como anfitrião. Mas, ainda assim, a vitória do rejuvenescido Brasil de Tite sobre a campeã mundial Alemanha, ontem, em Berlim, graças a um golo de Gabriel Jesus, surge como o necessário momento de libertação face a esse fantasma que há quatro anos atormentava a memória coletiva da canarinha.

A dar um sabor extra ao triunfo, o facto de o Brasil ter impedido os alemães de igualarem a sua melhor série histórica de jogos sem perder, fixada entre 1978 e 1981, com 23. À entrada para esta partida, a seleção de Joachim Löw acumulava 22 jogos invicta.

No final, o selecionador da recuperação brasileira, Tite, descartou o sentimento de vingança, mas realçou "o sentimento de resgate da auto-estima dos jogadores".

Entre os restantes "amigáveis" de ontem, destaque ainda parao emapte entre Inglaterra e Itália (1-1, golos de Jamie Vardy e Insigne). Outros resultados: Bélgica-Arábia Saudita, 4-0; Nigéria-Sérvia, 0-2; Polónia-Coreia do Sul, 3-2; Dinamarca-Chile, 0-0; Suíça-Panamá, 6-0; Austrália-Colômbia, 0-0.