Alexis Santos alcança a medalha que Portugal desejava há 31 anos

País não conquistava medalha em Europeus de piscina longa desde 1985. Em Londres o atleta do Sporting conseguiu o bronze, na final de 200 metros estilos. Diogo Carvalho foi quinto

Alexis Santos ainda não tinha nascido quando Alexandre Yokochi conquistou a primeira (até ontem única) medalha de Portugal em Europeus de piscina longa; ainda mal sabia nadar quando Nuno Laurentino (seu futuro ídolo) fixou um recorde nacional de 100 metros costas que parecia eterno; e ao iniciar-se nas piscinas, a conselho do pediatra, não terá sonhado que um dia faria tais ícones passarem à história. Ontem foi um desses dias: o nadador do Sporting conquistou a medalha de bronze na final de 200 metros estilos dos Campeonatos Europeus, que estão a decorrer em Londres.

Mesmo num evento desfalcado de algumas das maiores estrelas, viveu-se um dia histórico para a natação portuguesa, que ansiava há 31 anos por um novo pódio na principal competição continental - em piscina de 50 metros. Depois de Alexandre Yokochi - prata nos 200 metros bruços em Sofia 1985 -, o herói foi Alexis Santos, lisboeta de 24 anos, que brilhou numa final em que esteve também Diogo Carvalho.

Alexis, de 24 anos, completou a prova em 1:59.76 minutos, apenas atrás do grego Andreas Vazaios, que liderou desde início (1:58.18) e do israelita Gal Nevo, que recuperou várias posições nos 100 metros finais (1:59.69). Já Diogo Carvalho - o nadador do Galitos com quem o sportinguista tem disputado o domínio da disciplina em Portugal - chegou aos 150 metros em 2.º mas acabou fora do pódio, em 5.º lugar (2:00.29).

O lisboeta - que começou a nadar no Benfica e se mudou para o Sporting após o encerramento das antigas piscinas da Luz - embalou para a medalha nos metros finais da prova, a nadar em crawl. "Sabia que ia ser difícil porque havia sete ou oito nadadores capazes de chegar ao pódio. Tentei entrar forte mas sem comprometer a parte final. Controlei o grego e o israelita para na segunda parte terminar muito forte", resumiu, no final.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.