Alemanha entrega candidatura para organizar o Euro 2024

A última vez que o país acolheu uma edição da prova foi em 1988

O presidente da federação alemã de futebol (DFB), Reinhard Grindel, apresentou hoje ao secretário-geral da UEFA, Theodore Theodoridis, a candidatura da Alemanha para organizar o Europeu de 2024.

A Alemanha apresentou oficialmente a sua candidatura à UEFA, na Casa do Futebol Europeu, em Nyon, pelas mãos do presidente da DFB e do ex-internacional Philipp Lahm, embaixador da candidatura.

Os alemães concretizaram hoje a candidatura, anunciada em março de 2017, enquanto a Turquia, igualmente interessada em organizar a prova, deve formalizar o processo na quinta-feira.

"Eu participei no Mundial2006, na Alemanha, enquanto jogador, e estou convicto de que sentiremos novamente esse grande entusiasmo e que criaremos um espírito de solidariedade durante o Euro2024. Somos um candidato cosmopolita e temos estádios modernos e boas infraestruturas", afirmou Philip Lahm, ex-jogador do Bayern Munique, citado pela UEFA, em comunicado.

O anfitrião do Euro2024 vai ser conhecido em 27 de setembro pelo Comité Executivo da UEFA.

A Alemanha, que organizou o Mundial2006, não recebe um campeonato da Europa desde 1988, data em que ainda estava dividida em dois Estados independentes (RFA e RDA). A Holanda ganhou o torneio ao vencer a URSS na final por 2-0.

A próxima edição do Europeu vai realizar-se em 2020 e decorrerá em 12 cidades de países diferentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.