Adepto italiano morreu junto ao estádio da Luz em atropelamento e fuga

Homem estaria com elementos de uma claque do Sporting. PJ investiga possibilidade de atropelamento intencional

Um homem de 41 anos, de nacionalidade italiana, morreu esta noite na sequência de um atropelamento e fuga junto ao Estádio da Luz, em Lisboa, adiantou a PSP, chamada ao local depois de alertada para a existência de confrontos.

A ocorrência foi já entregue à Polícia Judiciária, que investiga a possibilidade de se ter tratado de um homicídio.

Para já, a PSP prossegue a investigação da situação de atropelamento e fuga sem prestação de socorro, não tendo ainda dados sobre o veículo, disse à Lusa a oficial de serviço do Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública. O atropelamento ocorreu ao início da madrugada, na Avenida Machado Santos, junto à rotunda sul do Estádio da Luz, tendo a PSP sido chamada ao local pelas 02:40 depois de alertada para a existência de confrontos.

A polícia encontrou no local apenas o corpo da vítima e diz ter "dados contraditórios sobre as preferências clubísticas" do homem italiano encontrado morto. O Sporting, porém, já veio em comunicado esclarecer que o italiano era adepto do Sporting, repudiando "os trágicos acontecimentos da última madrugada".

"O Sporting CP aguarda com expectativa as diligências em curso que estão a ser desenvolvidas pelas autoridades no sentido de apuramento de responsabilidades pelo que aconteceu. À família, o Sporting CP manifesta as suas mais sentidas condolências", refere nota divulgada pelo clube.

Segundo o Correio da Manhã, que noticiou a morte, o homem teria ligações ao clube italiano Fiorentina e teria estado envolvido em confrontos entre claques rivais, que terão começado com o arremesso de pedras e culminado com o atropelamento e fuga.

Os clubes rivais de Lisboa, Sport Lisboa e Benfica e Sporting Clube de Portugal defrontam-se hoje em Lisboa, no Estádio de Alvalade, num jogo que pode ser decisivo para decidir o título de campeão nacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

A burocracia hipster da CP

A finitude do tempo e a infinitude dos temas fazem difícil a escolha do que ensinar aos filhos, do que lhes falar. A isto soma-se, quando é o caso, a pluralidade destes e, em qualquer caso, os programas escolares como sanguessugas do tempo e dos temas. A cultura digital ilustra bem isto com a meme "mitochondria is the powerhouse of the cell". Esta frase é usada para ilustrar a inutilidade prática da aprendizagem no sistema escolar e ressurge ciclicamente na internet - até quando continuaremos a dizer na internet, como se as coisas pudessem ressurgir noutro lado qualquer - por exemplo, na altura dos impostos?

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.