Acusações de Benzema sobre pressões racistas para não ser convocado geram indignação

O jogador de origem argelina acusou o selecionador de se submeter às vontades de um partido racista

As acusações de Karim Benzema de que o selecionador de futebol de França cedeu "à pressão de um partido político racista" para não o convocar para o Euro2016 criaram uma onda de indignação na esfera desportiva e politica gaulesa.

O diretor-geral da Liga francesa de futebol, Didier Quillot, manifestou em conferência de imprensa a sua "total solidariedade" para com o selecionador Didier Deschamps e recordou que "as razões da ausência de Benzema já foram explicadas".

Em declarações à comunicação social, o presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), Noël Le Graët, considerou a conduta de Didier Deschamps "irrepreensível" e, na sua opinião, o jogador (Karim Benzema) "deixou-se levar".

"Eu entendo a deceção de Benzema, mas sob nenhuma circunstância posso aceitar as suas declarações sobre as decisões desportivas tomadas por Didier Deschamps nem acerca da sua personalidade", afirmou o ministro do Desporto francês, Patrick Kanner.

Benzema, de origem argelina, considera que o selecionador de França o excluiu da lista de convocados, tal como Hatem Ben Arfa, também de origem magrebina, por ter cedido "à pressão de um partido político racista", em referência ao partido de extrema-direita Frente Nacional.

Em entrevista ao diário desportivo espanhol Marca, o colega de Cristiano Ronald no Real Madrid não acredita que ficou fora da lista dos eleitos de Deschamps por estar envolvido num processo judicial de chantagem ao seu colega na seleção Mathieu Valbuena.

"Legalmente, sou inocente até provarem que sou culpado. Deviam ter esperado que o sistema judicial tomasse as suas decisões", disse ao jornal o melhor marcador em atividade dos 'bleus' (27 golos).

O ministro do Desporto francês apelou à calma e pediu para que todos os franceses se concentrassem apenas na competição, que começa a 10 de junho em Paris, e no apoio à seleção gaulesa, deixando de alimentar este (não) caso.

Benoit Hamon, do Partido Socialista, disse à estação de rádio Europe 1 que Benzema "está certo ao dizer que o racismo está a crescer em Franca", mas insistiu que "não há nenhuma evidência de o selecionador Didier Deschamps ser racista".

François Fillon, que foi primeiro-ministro durante cinco anos, entre 2007 e 2012, rejeitou as insinuações de Karim Benzema, considerando inadmissível que o jogador esteja a levantar problemas relacionados com raça, religião e etnia.

A França é a anfitriã do Campeonato da Europa, que se disputa entre 10 de junho e 10 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.