Marcos Rojo colocou a Argentina nos oitavos

Os argentinos venceram a Nigéria por 2-1 e marcam encontro com a França no próximo sábado

A Argentina está nos oitavos-de-final do Mundial 2018, depois de ter vencido esta terça-feira a Nigéria, em São Petersburgo, por 2-1. A equipa de Jorge Sampaoli beneficiou ainda da derrota da Islândia perante a já qualificada Croácia, para garantir o segundo lugar.

Assim, o Mundial da Rússia terá no sábado (15.00 horas), em Kazan o primeiro duelo entre ex-campeões do mundo, pois a Argentina vai ter pela frente a França, vencedora do grupo C.

Os argentinos começaram o jogo com muita vontade em terminar com a crise por que passam e Messi abriu o livro logo aos 86 minutos, com um remate cruzado. Contudo, a Nigéria acabou por chegar ao empate graças a um penálti transformado por Victor Moses aos 51 minutos, resultado que colocava os africanos nos oitavos.

Só que a quatro minutos dos 90, o recém entrado Cristián Pavón fez um cruzamento para o coração da área onde apareceu o defesa Marcos Rojo (ex-Sporting) a rematar de forma imparável para o fundo da baliza de Uzuho. A festa argentina rebentou nesse momento, com Maradona aos saltos na bancada.

Após uma fase de grupos fraca e com muita turbulência interna, a Argentina lá conseguiu garantir o apuramento.

Eis o melhor em campo para a FIFA:

A classificação ficou assim:

Jogos e resultados do dia:

Austrália - Peru (0-2, resultado final)

Dinamarca - França (0-0, resultado final)

Islândia - Croácia (1-2)

Nigéria - Argentina (1-2)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.