"A vida não se deve reduzir ao treino"

A inexistência de outras actividades paralelas ao treino, como a escola ou o trabalho, pode provocar problemas aos atletas, que, quando falham no desporto, falham na vida, diz o Presidente da Sociedade Portuguesa de Psicologia

Há algum factor específico que determine o abandono precoce nos atletas de alta competição?

Há tantas causas próximas como pessoas que abandonam. Exis-tem algumas questões de fundo como a iniciação no desporto e o processo de evolução. Muitas vezes, os jovens começam a praticar desporto por acaso, retirando muito prazer dessa actividade lúdica. Os resultados e a identificação de talentos são estimulados por treinadores e pais. O jovem inicia um envolvimento no treino sem dar conta de que não o escolheu, mas do qual já não consegue sair. Daí até se tornar figura pública inicia-se uma pressão social que o obriga a permanecer no alto rendimento.

Existem ainda outras pressões?

Sim. Por exemplo, os familiares e amigos. Para além do envolvimento social, associado a aspectos financeiros que criam pressões centrífugas que prendem as pessoas a uma actividade muito intensa, muito saturante. Tam-bém por isso os jovens atletas vão prolongando. A certa altura a coisa rebenta. Pode existir um grande esforço sem benefícios económicos e desistem.

A especialização precoce pode levar à saturação?

Os atletas não devem reduzir a vida a essa prática. A inexistência de outras actividades pode provocar problemas aos atletas, porque, quando falham no desporto, falham na vida, já que não têm outros projectos profis- sionais, afectivos ou académi-cos. Quando sente que já não realiza e vê que não há mais nada e isso pode gerar depressão.

Qual o papel dos treinadores?

É muito importante. Mas é um erro tremendo os treinadores impedirem os jovens de investirem em áreas académicas ou afectivas. Os atletas não podem estar 24 horas a pensar no mesmo assunto e se não se realizam fracassam por completo. Cada competição passa a ser um teste.

Há algum momento específico que possa determinar a interrupção de uma carreira?

Quando entram em programas de alto rendimento, a especialização ainda é maior. Deixa de existir tempo para socializar. Nessa transição, tende a existir uma processo de reorganização das suas vidas que os leva a questionar tudo. É aqui que acontece a maioria dos abandonos.

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Desporto
Pub
Pub