"A melhor volta que nunca viu" de Ayrton Senna agora já tem vídeo

McLaren recriou em vídeo um dos momentos mais memoráveis da carreira do piloto brasileiro: a volta de classificação para o Grande Prémio do Mónaco 1988

"Foi uma volta "Sennasional" para Senna. Nunca vi nada assim." A voz do lendário narrador da Fórmula 1 Murray Walker descreve agora em vídeo a histórica volta do piloto brasileiro Ayrton Senna, que lhe deu a pole position para o Grande Prémio do Mónaco em 1988.

O momento em que o piloto da McLaren ficou em primeiro lugar, ultrapassando em um segundo e meio, o seu colega de equipa Alain Prost não foi registado em vídeo. No mês em que se assinala o aniversário dessa prova, a marca decidiu colmatar essa falha e recriar o momento. Para tal, recorreu aos dados das classificação da época e a tecnologia de videojogos fez o resto. O vídeo tem a aparência dos anos 1980 e foi batizado de "A melhor volta que nunca viu".

O piloto brasileiro tinha então 28 anos e não ganhou essa corrida. Bateu a 12 voltas do fim, quando estava à frente. Contou na época que o melhor de ter tido o acidente naquele local foi estar perto de casa, para onde seguiu de imediato e onde passou um dia sem contactar a equipa, conta o site da McLaren.

Nos anos seguintes, Ayrton Senna venceria todos os GP do Mónaco, até 1993. As seis vitórias do piloto são o record ainda até hoje, que lhe valeram o cognome de "Rei do Mónaco". O piloto morreu a 1 de maio de 1994, no Grande Prémio de San Marino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.