A dobradinha das leoas com vídeoárbitro à mistura

Sporting entrou a perder, mas deu a volta e conquistou o troféu, frente ao Sp. Braga (2-1) . Golo de Ana Capeta aos 105 minutos decidiu o jogo a favor do clube leonino.

Chamam-lhe a prova rainha do futebol português e ontem coroou um grupo de leoas. Em ano de regresso o Sporting celebrou uma histórica dobradinha no futebol feminino ao juntar a Taça de Portugal ao campeonato ganho há 15 dias... em detrimento do Sp. Braga.

Um golo de Ana Capeta aos 105 minutos "desfez" uma igualdade que persistiu até aos 90 minutos e deu a primeira Taça de Portugal de futebol feminino ao clube de Alvalade. Solange Carvalho recebeu o troféu das mãos do Secretário de Estado, João Paulo Rebelo, e levantou-o bem alto na Tribuna de Honra para loucura dos poucos adeptos que resistiram ao frio e aos 120 minutos de jogo para ver a capitã leonina levantar a Taça. Uma imagem que já não passou em direto na RTP1 e levou o Sporting a lamentar. "Glória ignorada e censurada", escreveu Nuno Saraiva no Facebook.

Bruno de Carvalho não esteve no Jamor, por se encontrar em Toronto (vai inaugurar uma Academia, antes de rumar à Guatemala). Já António Salvador marcou presença , mas desta vez saiu do Jamor sem o troféu: "A época de arranque do projeto do futebol feminino no Sp. Braga terminou de forma inglória, dolorosa e injusta. A elas manifesto, publicamente, o meu sentido apreço e reconhecimento pela forma como têm servido este clube. O futebol feminino vai continuar a ser uma grande aposta."

Final inédita e com recorde

O jogo começou com o Sp. Braga a todo o gás. A atitude das guerreiras, principalmente de Jéssica Silva e de Andreia Norton, fez encolher as leoas, mal no setor defensivo. Aos 12 minutos Vanessa Marques adiantou mesmo as bracarenses, na conversão de um penálti. Um lance que foi decidido com recurso ao vídeo árbitro. Apesar de não ter sido visível o pedido de ajuda de Sandra Bastos, instantes depois de marcar uma falta ofensiva do Sp. Braga, a árbitra de Aveiro apontou para a marca dos 11 metros. À semelhança da final masculina entre Benfica e Vit.Guimarães(2-1), também a final feminina contou com o auxílio do vídeoárbitro.

Desorientadas com o início fulgurante das minhotas - Jéssica Silva teve duas perdidas de levar as mãos à cabeça - , as jogadoras do Sporting viviam de um ou outro rasgo de Ana Borges e Diana Silva, que acabou por empatar o jogo aos 57", a passe da jogadora emprestada pelo Chelsea.

Depois, embaladas pelo apoio que vinha das bancadas (70% dos 12213 adeptos presentes nas bancadas - um recorde de assistência num jogo de futebol feminino - era afeto ao Sporting), as jogadoras de Nuno Cristóvão foram crescendo no jogo, acompanhando o ritmo que o Sp. Braga dava ao jogo desde o início. Mas o empate persistiu e só no prolongamento Ana Capeta, acabada de entrar, fez o 2-1, a passe de Ana Borges, e fez explodir de alegria as bancadas do Jamor. "Sportinguistas, esta taça é vossa. A beleza que deixaram nas bancadas foi incrível. Já não é a primeira vez que nos puxam para a glória", agradeceu no final Rita Fontemanha.

O Sporting sucede assim ao Futebol Benfica (Fofó), que tinha vencido as últimas duas edições da competição, dominada pelo 1.º Dezembro, com sete triunfos.

Ler mais

Exclusivos