A aposta chinesa para chegar ao topo do ténis masculino

Wu Yibing foi campeão do torneio júnior e é o primeiro homem chinês a ganhar um título de ténis do Grand Slam

A relação chinesa com o ténis ainda só conheceu algum sucesso no feminino, com os dois títulos de Grand Slam conquistados pela já retirada Li Na - Roland-Garros em 2011 e Open da Austrália em 2014. Mas o forte crescimento da aposta na modalidade nos últimos anos parece finalmente estar a produzir resultados também entre os homens, como promete a proeza do jovem Wu Yibing no torneio júnior do US Open, onde se tornou o primeiro chinês a ganhar um título masculino do Grand Slam.

Num país habituado a dominar outros desportos de raquetes, como o ténis de mesa ou o badminton, a popularidade do ténis é um fenómeno relativamente recente, a acompanhar o forte crescimento da classe média chinesa. E, se na vertente feminina a China já teve em Li Na a sua primeira grande estrela, no setor masculino nunca conseguiu sequer um jogador nos cem melhores do mundo.

Agora, com a vitória sobre o argentino Axel Geller (por duplo 6-4) na final do US Open júnior, no dia 10, Wu Yibing assume-se como o rosto de liderança de uma nova geração que tenta elevar a China ao topo do ténis. "Penso que esta vitória é importante para provar a nós mesmos e ao mundo inteiro que os tenistas chineses podem ser tão bons como os outros", referiu no final o jovem Yibing, de 17 anos, que assumiu também a vontade de continuar a fazer história pelo seu país. E o próximo objetivo passa por derrubar essa muralha histórica que tem mantido os homens chineses fora do top 100 do ATP.

Para já, Wu Yibing, que lidera a tabela mundial de juniores, aparece no lugar 496 do ranking profissional masculino, no qual os chineses mais bem colocados são Di Wu, de 25 anos, em 222.º, e Ze Zhang, de 27 anos, em 234.º.

A rápida progressão de Wu Yibing no último ano, no entanto - com a final na prestigiada Orange Bowl júnior, as meias-finais no Open da Austrália e, agora, este sucesso no US Open, onde também ganhou a competição de pares -, faz aumentar as expectativas sobre o potencial futuro deste jovem nascido em Hangzhou, no Leste da China, e que começou a praticar ténis aos 4 anos, depois de a mãe o ter levado a jogar badminton num parque e percebido que a rede era ainda muito alta para ele.

Treinado pelo espanhol Carlos Rodríguez - o mesmo que levou Li Na ao sucesso -, Yibing divide os treinos entre a China e Espanha. "O que me impressiona nele é a sua criatividade no court. Consegue fazer coisas que não se veem noutros jogadores", elogia o treinador. Está lançado o assalto chinês ao topo do ténis masculino?

Relacionadas

Últimas notícias

Helena Freitas liderou a Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), uma aposta pessoal do primeiro-ministro, António Costa, para coordenar o Programa Nacional de Coesão do Território (PNCT) e lançar bases sólidas para uma descentralização e reversão das desigualdades entre regiões do país. Mas a catedrática descobriu nos decisores políticos uma "inércia e incapacidade de concretizar brutais". Voltou, em junho passado, à universidade de Coimbra, onde é catedrática e assistiu nesta semana, com "perplexidade", ao caso do Infarmed.

Partilhar

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Desporto
Pub
Pub