30 anos da famosa "Mão de Deus"

Diego Maradona apurou a Argentina para as meias-finais do Mundial de 1986 com golo polémico e de génio

Celebram-se esta quarta-feira 30 anos que o Mundo assistiu a Diego Maradona marcar o golo histórico com a "Mão de Deus". Num jogo a contar para os quartos-de-final do Mundial de 1986, no México, a Argentina defrontava a Inglaterra. O confronto entre as duas seleções encontrava-se ainda sem golos, quando o jogador argentino, aos 6 minutos da segunda parte, aproveitou um mau atraso da equipa inglesa, ganhou nas alturas a Peter Shilton e, "um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus", Maradona fazia assim o primeiro do encontro.

O golo polémico gerou indignação na seleção inglesa de Bobby Robson, mas esta pouco durou. Quatro minutos depois, Maradona arrancou do meio-campo, passou por seis adversários ingleses e fez o segundo do encontro. Nasceu assim o "Golo do Século". Num só jogo, Diego Maradona conseguiu dois golos históricos essenciais para o apuramento da seleção argentina para as meias-finais da prova.

A nove minutos do fim, a Inglaterra ainda reduziu. A equipa de Bobby Robson fez o 2-1, através de Gary Lineker. A argentina seguia assim em frente, acabando por se tornar campeã do Mundo, vencendo a Alemanha Ocidental por 3-2. Maradona acabou por admitir, em 2005, que o golo foi realmente marcado com a mão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.