117 jogos depois, Messi voltou a não rematar à baliza

Jogo com o Chile mostrou estatística improvável do avançado do Barcelona, que esteve mais em destaque em ações defensivas

Pela primeira vez nos últimos 117 jogos, Lionel Messi terminou uma partida de futebol sem rematar à baliza adversária. O impensável aconteceu anteontem à noite, durante o Chile-Argentina, jogo de apuramento para o Mundial 2018 que os argentinos mesmo assim venceram por 2-1, resultado que lhes permitiu igualar o Paraguai no terceiro lugar da zona sul-americana de qualificação.

A culpa, diz a imprensa chilena, foi do apertado esquema de marcação montado por Juan Antonio Pizzi, argentino que se estreou anteontem no banco da seleção do Chile e que como jogador chegou a representar o FC Porto.

O único lance de destaque do jogador do Barcelona em todo o jogo foi a assistência para o segundo golo da seleção das pampas, apontado por Gabriel Mercado - Di María também marcou e pelo Chile o golo foi da autoria de Felipe Gutiérrez.

De acordo com a ESPN, há 117 jogos que não se via tal coisa - Messi estar um jogo inteiro sem rematar às redes adversárias - com a particularidade de na baliza chilena estar Claudio Bravo, seu colega de equipa no Barcelona. A cadeia de televisão sul-americana recorda que um dos jogos em que o Bola de Ouro de 2015 esteve mais discreto foi num clássico Real Madrid-Barcelona, em janeiro de 2013, quando apenas realizou um remate - e de livre direto - numa partida relativa à primeira mão das meias-finais da Taça de Espanha, que terminou empatada a um golo. Na altura, o clube da capital espanhola era orientado por José Mourinho e, de acordo com as crónicas, o central Varane esteve irrepreensível na marcação a Leo Messi.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.