Maniche rejeita favoritos no Benfica-FC Porto

O ex-internacional português Maniche considera não haver favoritos no clássico entre Benfica e FC Porto, este domingo, para a 30.ª jornada da I Liga de futebol, que pode ser decisivo para as contas do título de campeão nacional.

Da revelação com a camisola dos 'encarnados' ao estrelato de campeão europeu nos 'dragões', o antigo médio conhece bem os dois emblemas e desvaloriza a diferença de um ponto a favor do tetracampeão nacional (74 contra 73), que a seu favor tem ainda o facto de jogar no Estádio da Luz, onde não perde para o campeonato há mais de dois anos (1-2 com o FC Porto em 2015/16).

"Num clássico como este, obviamente não há favoritos. Independentemente do estado de forma em que as equipas se encontram, das vitórias ou derrotas nos últimos jogos ou da classificação, é um clássico e isso fala por si: um jogo extremamente difícil para ambas as equipas", afirmou à Lusa o ex-jogador.

Contudo, Maniche confessa a sua surpresa pelos deslizes recentes dos 'azuis e brancos', que permitiram a ultrapassagem do rival no topo da classificação. No seu entender, a repetição de erros que "já aconteceram nos últimos anos" veio condicionar as aspirações da formação de Sérgio Conceição.

"O primeiro objetivo é a Liga, e o FC Porto não podia facilitar como facilitou, tendo alguns pontos de vantagem para o segundo classificado, e agora tem de correr atrás do prejuízo. Já aconteceu isso nos últimos anos, em que não conseguiu demonstrar que tinha capacidade para encarar a pressão. No meu ponto de vista, o FC Porto facilitou", disse Maniche.

Por via dessa situação, o ex-internacional luso reconhece que o FC Porto está obrigado a ganhar para reforçar o sonho da conquista do campeonato, pois após o embate de domingo ficarão apenas doze pontos em disputa. E o momento positivo do Benfica, com a melhor sequência de triunfos da época, constitui um outro alerta para a equipa portista.

"As nove vitórias do Benfica dão confiança e moral à equipa, os jogadores são experientes, e, acima de tudo, é um jogo em que o FC Porto tem de ir atrás do prejuízo. Não é por este jogo que pode ficar afastado do título, mas com uma derrota pode ficar longe e saber que será muito difícil chegar ao primeiro lugar", referiu.

Com os dois melhores ataques da competição frente a frente, Maniche não espera surpresas de última hora e torce somente por um "jogo fantástico, intenso e aberto" entre os dois conjuntos. Confrontado com as dúvidas sobre a condição dos dois goleadores, Jonas e Marega, que estão a contas com problemas físicos, o ex-futebolista, de 40 anos, acentua o peso do avançado brasileiro.

"O Jonas é o expoente máximo da equipa do Benfica, enquanto o Marega é um jogador importantíssimo na equipa do FC Porto. Mas o FC Porto é mais um conjunto do que as individualidades, vale mais pelo seu todo. No Benfica, sim, o Jonas é um jogador determinante, mas também já vimos o Benfica ganhar sem ele", frisou.

Numa temporada marcada por enorme controvérsia e trocas de acusações fora de campo nos dois emblemas, o antigo centrocampista sublinha que o clima de guerra institucional não se vai fazer sentir dentro do relvado.

"Os jogadores já estão habituados a essas situações. São jogadores experientes, habituados a jogar perante muitos adeptos e alheiam-se disso. Para os jogadores não passa, mas para os adeptos talvez; mas, acima de tudo, estamos à espera de um grande jogo de futebol", sentenciou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.