Inesgotável LeBron mantém Cavaliers na rota de outra final

LeBron James bateu uma marca histórica de Kareem Abdul-Jabbar e liderou equipa de Cleveland ao empate na final da conferência Este. Em Akron, querem fazer-lhe uma estátua

De recorde em recorde, LeBron James vai mantendo os Cleveland Cavaliers à tona na luta pelo título da NBA. Ao marcar 44 pontos na vitória (111-102) que permitiu empatar (2-2) a final da conferência Este frente aos Boston Celtics, a estrela maior da atual geração da liga superou mais uma marca histórica, ultrapassando Kareem-Abdul Jabbar como o jogador com mais lançamentos de campo concretizados em playoffs - a contagem vai agora em 2367. E, com isso, reforçou a expectativa de chegar às suas oitavas finais consecutivas da competição.

Tem sido assim ao longo dos últimos anos: a cada primavera - altura em que a NBA entra em modo playoffs -, LeBron James eleva o nível do seu jogo e carrega a respetiva equipa até à decisão do campeonato. Esta temporada, aos 33 anos, o basquetebolista a quem colaram o rótulo de King ainda antes de entrar na NBA está a reforçar o estatuto de maior força individual da liga, suportando o trajeto dos Cavs nas eliminatórias, depois de uma fase regular modesta para a equipa do Ohio.

O quarto lugar na conferência de Este constituiu a pior classificação de sempre de uma equipa de LeBron James na fase regular e deixava antever a possibilidade de uma mudança de ciclo no Leste da NBA. O apuramento no limite (4-3), frente aos Indiana Pacers, na primeira eliminatória, reforçou as dúvidas. Mas, na ronda seguinte, LeBron comandou uma "varridela" (4-0) sobre os Toronto Raptors, que tinham conseguido o melhor registo da conferência na temporada regular.

Agora, na final de Este, frente a uns Boston Celtics que constituem a maior surpresa da época, James voltou a ter de mostrar a sua melhor versão para equilibrar um duelo que começou com duas vitórias dos verdes de Boston, comandados pelo técnico do momento, Brad Stevens. Com King James a assumir o seu protagonismo ímpar, os Cleveland Cavaliers igualaram a série, em casa, e ganharam novo alento para voltarem ao TD Garden de Boston, pavilhão com um dos ambientes mais hostis da liga e onde os Celtics seguem invictos nestes playoffs.

Um desafio, portanto, à medida de LeBron James, que está a alcançar números pouco vistos até para um jogador de exceção como ele. Com médias de 33,7 pontos, 9 assistências e 8,7 ressaltos, e uma percentagem de lançamentos de 55%, o n.º 23 dos Cavaliers está a fazer uns dos melhores playoffs da carreira (só em 2009 marcou mais pontos: 35,3), amealhando mais recordes históricos como este último relativo aos lançamentos de campo concretizados - na época passada já tinha destronado Michael Jordan como jogador com mais pontos em playoffs e também detém os recordes de lances livres e de roubos de bola.

"É uma honra, mas eu não sou um marcador", comentou LeBron, destacando o aspeto multidimensional do seu jogo, como tantas vezes gosta de sublinhar, até nas constantes comparações com Michael Jordan sobre quem é o melhor jogador de sempre. "Ele é o melhor da liga a analisar o jogo e a descobrir o que quer fazer a cada momento e como fazê-lo", elogiou o treinador dos Celtics, Brad Stevens, que tenta arranjar fórmula de pôr fim à supremacia de James na metade Leste da NBA.

Uma estátua em tamanho real

Entre as manifestações de reconhecimento do valor extraordinário de LeBron James, destacou-se nos últimos dias uma revelada em Akron (cidade onde o jogador nasceu e se formou), no estado do Ohio, onde ganhou forma uma campanha de angariação de fundos para a construção uma estátua de LeBron em tamanho real, ideia promovida por um antigo estudante do colégio de St. Vincent-St. Mary. "Fico agradecido só pela sugestão", reagiu o jogador, que espera poder entretanto juntar um quarto anel de campeão ao currículo, depois dos títulos ganhos em 2012, 2013 (ambos pelos Miami Heat) e 2016. A "imortalidade", na história da NBA, essa já está garantida para King James.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG