Hollande diz que nunca pensou adiar ou suspender Euro2016

Presidente da França diz que a competição deve representar "uma forma de resposta ao ódio, divisão, medo e horror". E garante que serão tomadas todas as medidas necessárias

O presidente da França, François Hollande, assegurou esta terça-feira que, apesar dos ataques terroristas em Paris e Bruxelas, nunca ponderou adiar ou suspender o Euro2016 de futebol, que decorre em solo gaulês de 10 de junho a 10 de julho.

"Nunca foi levantada a hipótese de adiar ou suspender o Euro2016", declarou François Hollande, durante uma visita ao Instituto Nacional do Desporto de França (INSEP).

O presidente francês acrescentou que a competição deve representar "uma forma de resposta ao ódio, divisão, medo e horror" e disse que "serão tomadas todas as medidas de segurança necessárias" durante o torneio.

Esta é a primeira declaração do presidente francês sobre a organização do Euro2016, após os atentados de Bruxelas, a 22 de março, que provocaram pelo menos 35 mortos e mais de 300 feridos.

Meses antes, a 13 de novembro de 2015, foram cometidos vários ataques na capital francesa, entre os quais nas imediações do Stade France, que provocaram 130 mortos.

Naquela noite, a seleção francesa de futebol disputava um encontro de caráter particular com a congénere alemã, quando várias explosões se fizeram ouvir perto do estádio, causando o pânico entre os espetadores, que invadiram o relvado.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.