Exclusivo Hockey Club de Sintra está penhorado, vive de ajudas e corre risco de fechar portas

Acidente de miúdo de nove anos num treino, em 1998, atirou o clube para os tribunais. Condenado a pagar indemnização de 144 mil euros, nunca o fez e garante não ter como pagar. Valor já supera os 250 mil.

Em Sintra há um clube histórico em risco de fechar portas devido a uma penhora que já vai em mais de 250 mil euros. Desde 2013 que o Hockey Club de Sintra sobrevive graças à ajuda de alguns mecenas, como era o caso do antigo Presidente da República Jorge Sampaio e dos pais dos atletas que asseguram o pagamento das contas do gás, da luz e da água. Esta é a triste realidade do quinto clube mais medalhado do hóquei em patins português, depois de Sporting, FC Porto, Benfica e Paço de Arcos.

O clube não pode receber subsídios estatais ou municipais, nem patrocínios. Tudo o que chega à conta bancária, sai automaticamente para pagar a indemnização à vítima de um acidente num treino, há 23 anos. O problema é que não existem receitas, pelo que o incumprimento e os juros continuam a aumentar. "Se não fosse um acordo de concessão a 90 anos do terreno onde foi construído o pavilhão já estávamos na rua. Não sei como resolver a situação. É impensável continuar assim, sem uma solução. Em breve temos de começar a pensar fechar portas ou acabar com o clube, uma vez que não há abertura da outra parte para um acordo", confessou ao DN o presidente Francisco Leitão, que está consciente do "direito da outra parte a receber o que lhe é devido".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG