Gastão Elias recebe o primeiro 'wild-card' do Estoril Open

O segundo melhor tenista português da hierarquia ATP terá entrada direta no torneio

O tenista português Gastão Elias recebeu hoje o primeiro 'wild-card' do Estoril Open, que se realiza no Clube de Ténis do Estoril, entre 23 de abril e 01 de maio.

"O Gastão é o segundo melhor português, destacadamente. Ele tem mais do que nível para estar no top 100 mundial. É só uma questão de continuar com esta forma e resultados. Achámos que mais do que merecia receber este 'wild-card'", afiançou o diretor do torneio, João Zilhão, na apresentação da edição deste ano.

Gastão Elias apareceu de surpresa na conferência de imprensa de apresentação da segunda edição do novo Estoril Open, numa unidade hoteleira de Cascais, sendo recebido com palmas.

"Queria agradecer pelo convite e pela confiança. Espero jogar o melhor ténis aqui em Portugal, já joguei perto do meu melhor junto ao público português. Adoro jogar em casa", confessou o único tenista luso a marcar presença nos quartos de final do único torneio ATP português por duas vezes consecutivas (2013 e 2014).

O número dois nacional e 121.º jogador mundial considerou que este vai ser um torneio interessante, com nomes fortes. "Vou fazer o meu melhor e oxalá consiga chegar, pelo menos, aos quartos de final outra vez", concluiu.

Sentado ao seu lado, João Sousa, 38.º da hierarquia mundial, recordou que Elias é um amigo, uma pessoa que admira "muitíssimo" e um "excelente jogador".

"Acredito que ele tem vindo a desenvolver um excelente trabalho e que, mais tarde ou mais cedo, vai entrar no 'top 100'. Estou muito contente por ele estar no quadro principal", assumiu o número um nacional, que anunciou que os dois vão "unir forças para tentar ganhar o torneio de pares".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.