Vitor Pereira admite árbitros estrangeiros em Portugal

O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Vitor Pereira, admitiu a possibilidade de árbitros estrangeiros arbitrarem em Portugal, numa entrevista hoje publicada pelo jornal A Bola.

Vítor Pereira diz que o Conselho de Arbitragem da FPF está aberto a essa experiência, "não de uma forma desorganizada e avulsa, mas num projeto coordenado internacionalmente".

O presidente do Conselho de Arbitragem diz que os portugueses estão preparados para esse tipo de situações e explicou que uma equipa de quatro árbitros internacionais foi convidada para "apitar um dos jogos mais importantes do campeonato romeno".

Sobre o aparecimento dos dados pessoais dos árbitros de futebol profissionais na Internet, Vítor Pereira considerou a situação "muito grave", constituindo "uma violação da lei".

"A partir dessa altura, logo que saíam as nomeações, os árbitros começavam a receber ameaças nos seus telemóveis, nos computadores. Ameaças que iam ao ponto de pôr em risco a integridade física e a segurança das famílias", explicou.

Durante a entrevista, Vítor Pereira mostrou-se ainda favorável à adoção de uma tecnologia a instalar na linha de baliza e referiu que já foi sugerida à FIFA a hipótese de experimentar esse sistema na Taça da Liga.

"Concordo plenamente. Eu e todos os árbitros. Basta que a FIFA diga sim, que estaremos prontos. Todos os árbitros do Mundo concordam", assinalou.

Segundo o presidente do Conselho de Arbitragem, "tudo aquilo que seja para facilitar a tomada de decisão e a justiça do jogo estamos de acordo. Ainda por cima a tecnologia da linha de baliza não mexe, em nada, com a autoridade do árbitro".

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.