"Para ser humilde tenho que vender fatos e o Porsche?"

O técnico do Paços de Ferreira abriu o livro: diz que a sua família sofre com a pressão e ameaças de adeptos e teme pela sua segurança.

Costinha sentiu neste domingo necessidade de explicar vários aspetos da sua ligação ao Paços de Ferreira, das pressões e ameaças dos adeptos até à sua segurança, sem esconder tristeza pelo que a família tem sofrido.

"Pela primeira vez, a minha mulher e os meus filhos tiveram necessidade de vir ter comigo. Por vezes sou imune, ou tento ser, a estas críticas, mas a minha família é mais sensível e sentiram necessidade de vir ter comigo. Há coisas bem piores do que o futebol", disse Costinha, à margem da antevisão ao jogo com o Vitória de Guimarães.

Numa conversa franca e sem rodeios, o treinador do Paços de Ferreira deu conta do clima de desconfiança que envolveu a sua chegada ao clube, admitindo sentir-se como um alvo a abater.

"Desde que cheguei aqui que as coisas não foram fáceis e até parece que jogámos sempre mal. Sou visto com desconfiança e levantam-se burburinhos contra a minha pessoa. Para ser humilde parece que tenho de vender os meus fatos ou o meu Porsche, mas se as pessoas me conhecerem vão ver que sou normal", sublinhou o técnico.

Costinha deu como exemplo o "play-off" da Liga dos Campeões frente aos russos do Zenit, considerando que "surgiu a ideia de que o Paços tinha de ganhar ao Zenit". "Fui criticado por termos perdido, mas o FC Porto já não foi criticado por ter jogado mal ou perdido com o Zenit", acrescentou.

Costinha negou ainda ter segurança pessoal, como resposta às ameaças dos adeptos do clube, com quem nunca teve uma relação fácil.

"Não sei como surgiu esta história de ter um segurança privado, é uma estupidez. Tenho um amigo que pertenceu a uma claque de um clube onde já joguei e que gosta de vir aos jogos, mas não gosta de ver fazerem-me mal", concluiu.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?