Mafra comemora "bodas de ouro" com subida à II Liga

Pela primeira vez, o Mafra vai participar nos escalões profissionais do futebol português. Subida foi alcançada na véspera do 50.º aniversário do clube.

O Mafra fez hoje história, ao ascender à II Liga de futebol, um feito nunca alcançado pelo clube que comemora as bodas de ouro e que viu Alisson "carimbar o passaporte" para as competições profissionais na segunda parte.

A festa começou ainda antes de Mafra e Louletano entrarem em campo. Aos poucos, o campo Doutor Mário Silveira, em Mafra, foi-se enchendo de amarelo e verde, fazendo-se ouvir buzinas, vivas e palmas quando os primeiros jogadores entraram para o relvado.

Frente aos algarvios, em jogo da 14.ª e última jornada da fase de subida da zona sul do campeonato nacional de seniores, o Mafra teve de suar para vencer. Embora o jogo tivesse sentido único - a baliza do Louletano -, foram necessários 48 minutos para que Alisson fizesse o único golo do encontro.

"Quando Alisson marcou deu um alívio na equipa. Até pensei que fosse haver mais golos. Mas como não saiu, também o 1-0 está bem. Somos campeões da nossa zona", disse à Agência Lusa Tiago Costa.

O capitão mafrense diz sentir um "alívio muito grande", uma vez que nas últimas temporadas viu sempre o sonho da II Liga esfumar-se.

"Foi difícil marcar, mas somos uma equipa madura, uma equipa experiente. Sabíamos que o golo iria surgir e, graças a Deus, foi através de uma cabeçada do nosso amigo Alisson", afirmou.

À semelhança do que já tinha feito ao serviço do Atlético, em 2010/11, António Pereira abandonou o campo assim que o árbitro bracarense Hélder Lamas deu o apito final e não mais foi visto.

Em declarações à Agência Lusa, José Cristo, presidente do Mafra, revelou que o técnico vai continuar ao serviço da equipa amarela e verde.

"É um grande treinador e é um homem que tem muitas subidas. Hoje conquistou mais uma. Há uma dívida de gratidão e ele vai continuar a ser nosso treinador. Esta subida é também para Jorge Simão (agora treinador do Belenenses), foi ele que escolheu os jogadores e nos ajudou", admitiu.

Com um campo de dimensões reduzidas, tem capacidade para 2.400 pessoas, e a disputar competições profissionais, o Mafra vai ter, garantidamente, de mudar de instalações.

"Vamos passar a jogar no Estádio Municipal de Mafra. O presidente da câmara já nos disse oficialmente", revelou.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.