Vitória de Setúbal renovou com Zequinha por três anos

O avançado de 27 anos, formado no Bonfim, expressou a alegria por renovar pelo "clube do coração".

O Vitória de Setúbal e José Branco, conhecido por Zequinha, chegaram a acordo para renovação do contrato por três épocas, anunciou na quarta-feira o clube sadino.

"É um momento muito especial para mim. Prolongar o contrato com o clube do meu coração é algo de extraordinário", afirmou o jogador, em declarações à página oficial do Vitória de Setúbal na internet.

"O Vitória corre-me nas veias", acrescentou o avançado sadino, que iniciou a formação nas escolas de futebol do clube do Bonfim quando tinha apenas seisanos.

Natural de Setúbal, agora com 27 anos, Zequinha já passou por vários clubes portugueses, nomeadamente FC Porto, Tourizense, Penafiel, Gondomar, Gil Vicente, Olhanense e Fátima.

Antesde regressar a Setúbal, Zequinha jogou na Grécia, onde representou o Larissa e o Panthrakikos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.