Vitor Pereira admite árbitros estrangeiros em Portugal

O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Vitor Pereira, admitiu a possibilidade de árbitros estrangeiros arbitrarem em Portugal, numa entrevista hoje publicada pelo jornal A Bola.

Vítor Pereira diz que o Conselho de Arbitragem da FPF está aberto a essa experiência, "não de uma forma desorganizada e avulsa, mas num projeto coordenado internacionalmente".

O presidente do Conselho de Arbitragem diz que os portugueses estão preparados para esse tipo de situações e explicou que uma equipa de quatro árbitros internacionais foi convidada para "apitar um dos jogos mais importantes do campeonato romeno".

Sobre o aparecimento dos dados pessoais dos árbitros de futebol profissionais na Internet, Vítor Pereira considerou a situação "muito grave", constituindo "uma violação da lei".

"A partir dessa altura, logo que saíam as nomeações, os árbitros começavam a receber ameaças nos seus telemóveis, nos computadores. Ameaças que iam ao ponto de pôr em risco a integridade física e a segurança das famílias", explicou.

Durante a entrevista, Vítor Pereira mostrou-se ainda favorável à adoção de uma tecnologia a instalar na linha de baliza e referiu que já foi sugerida à FIFA a hipótese de experimentar esse sistema na Taça da Liga.

"Concordo plenamente. Eu e todos os árbitros. Basta que a FIFA diga sim, que estaremos prontos. Todos os árbitros do Mundo concordam", assinalou.

Segundo o presidente do Conselho de Arbitragem, "tudo aquilo que seja para facilitar a tomada de decisão e a justiça do jogo estamos de acordo. Ainda por cima a tecnologia da linha de baliza não mexe, em nada, com a autoridade do árbitro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.