Vit. Guimarães vence Taça de Portugal pela 1.ª vez

Primeira Taça da história do clube vimaranense chegou com uma reviravolta na reta final do jogo. Benfica perdeu tudo o que havia para ganhar e Jorge Jesus continua sem cumprir o sonho no Jamor.

Não houve duas sem três. Jorge Jesus dizia, há um mês, que esta seria uma "época de sonho" para o Benfica, independentemente do seu desfecho, mas esta converteu-se num verdadeiro pesadelo para qualquer benfiquista. Campeonato, Liga Europa e Taça de Portugal: tudo perdido em duas semanas, com derrotas por 2-1. Do outro lado, a euforia vimaranense, própria de quem conquistou a primeira Taça de Portugal do seu historial.

Depois de cinco finais perdidas, o Vitória conseguiu finalmente vencer a Taça de Portugal, graças a uma reviravolta entre os minutos 79 e 81, depois de largos minutos em que um apático Benfica não mostrou a garra e empenho que terão levado Jorge Jesus a dizer que esta seria, mesmo, uma época de sonho. É o segundo troféu profissional da história do clube de Guimarães, em 91 anos de história, depois da Supertaça de 1988.

Rui Vitória, de 43 anos, ergue o troféu depois de uma época marcada por dificuldades financeiras, que forçaram o treinador a reformular a equipa ao longo da temporada, recorrendo à formação B após ter perdido jogadores influentes no mercado de inverno. Jorge Jesus, por sua vez, volta a perder a final, depois de 2007, e não conseguiu cumprir o sonho de dedicar o troféu ao seu avô, que o levou pela mão ao Jamor, em 1967, e acabou por falecer quando Jesus tinha 13 anos.

Nesta final inédita da Taça de Portugal, o Benfica até chegou ao intervalo a vencer, graças a um golo caricato de Gaitán: após o Vitória ter desperdiçado uma oportunidade de golo flagrante, Kanu, na tentativa de afastar o perigo da sua grande área, rematou contra Gaitán e a bola acabou no fundo das redes (30'). O Benfica parecia lançado para a sua 25.ª Taça, a primeira em nove anos, mas no segundo tempo o Vitória voltou a deixar Jorge Jesus em lágrimas.

Soudani, aos 79 minutos, em posição de fora-de-jogo revelada nas imagens televisivas, aproveitou um passe de Crivellaro, após falha de Artur, e empatou a final. Dois minutos depois, Ricardo, futuro jogador do FC Porto, rematou de longe e a bola bateu em Luisão, entrando lentamente na baliza de um Artur que poderia ter feito bem mais. O Benfica não ganhou nenhum troféu nesta temporada e o Vitória faz a festa, que se prolongará noite dentro em Guimarães. Resta saber se Luís Filipe Vieira, que tinha tudo acertado para renovar com Jorge Jesus na próxima terça-feira, irá "segurar" o treinador, perante a contestação dos adeptos que, aos 82 minutos, já iam abandonando o Jamor.

90+4' Final do jogo! O Vitória de Guimarães vence a Taça de Portugal pela primeira vez, ao bater o Benfica por 2-1, no Jamor. Todas as reações para conferir já a seguir, com Cardozo a desentender-se com Jorge Jesus em pleno relvado, valendo a intervenção de Raúl José.

90+2' Substituição no Vitória. Saiu Baldé e entrou N'Diaye.

90' Três minutos de compensação...

89' O Vitória tenta queimar alguns segundos. Pode ser a primeira vez que o clube vimaranense conquista a Taça de Portugal

87' Substituição no Benfica. Saiu Enzo Pérez e entrou Pablo Aimar.

85' É o tudo por tudo do Benfica. No Vitória, as ordens são para defender e jogar com o relógio, numa altura em que o corpo de intervenção da PSP entra em ação nas bancadas, em resposta a alguns desacatos.

84' Cartão amarelo para Salvio, por derrubar Ricardo.

83' Adeptos do Benfica começam a abandonar o Jamor...

83' Substituição no Benfica. Saiu Gaitán e entrou Rodrigo.

82' As imagens televisivas revelam que Soudani estava em fora-de-jogo quando empatou a final, aos 79 minutos.

81' GOLO DO VITÓRIA DE GUIMARÃES! RICARDO FAZ O 1-2! É a reviravolta no Jamor e o delírio entre a massa adepta vimaranense: Ricardo, a 25 metros da baliza, tentou o remate rasteiro, a bola sofreu um desvio em Luisão e acabou no fundo das redes.

79' GOLO DO VITÓRIA DE GUIMARÃES! SOUDANI FAZ O 1-1! Asneira de Artur Moraes (após atraso de André Almeida), que "entrega" a bola de Crivellaro; o brasileiro desmarcou Soudani e o argelino, isolado, conseguiu bater o guarda-redes brasileiro e empatar a final.

77' Substituição no Vitória. Saiu Leonel Olimpio e entrou Crivellaro.

76' Rui Vitória chama mais um jogador. Vai entrar Crivellaro.

74' Cartão amarelo para Addy, por "varrer" Maxi Pereira.

73' Benfica com espaço para "matar" o jogo em contra-ataque. O Vitória adianta-se no terreno, mas não cria estragos.

71' Cartão amarelo para Baldé, por agarrar Matic.

69' Substituição no Benfica. Saiu Cardozo e entrou Urreta.

68' O Benfica está longe de fazer uma exibição empolgante, mas não está a ser forçado a muito mais.

66' Vitória desaproveita dois lances de bola parada que poderiam ter levado perigo à baliza de Artur Moraes.

64' Substituição no Vitória. Saiu Kanu e entrou Marco Matias. Ricardo recua para defesa direito.

63' Cruzamento largo de Gaitán, com a bola a sair pela linha de fundo.

60' Rui Vitória prepara a primeira substituição do jogo. Vai entrar Marco Matias.

58' Lima surge em zona de finalização na grande área, mas Paulo Oliveira conseguiu ceder pontapé de canto.

56' Remate cruzado de Soudani, mas fraco e para defesa fácil de Artur. O argelino tem ganhado poucos lances a Maxi Pereira, naquele que é o seu último jogo pelo Vitória (vai para o futebol croata).

54' Vitória a tentar explorar o espaço entre-linhas para se aproximar da grande área do Benfica. Até ver, sem sucesso.

52' Tiago Rodrigues remata já em esforço, na grande área, para defesa fácil de Artur.

50' Remate cruzado de Ricardo, na sua primeira intervenção com perigo na partida, mas Artur Moraes intercetou a bola.

47' Cruzamento perigoso de Gaitán para Cardozo, mas El Adoua meteu o pé e evitou o cabeceamento do paraguaio.

46' Início da segunda parte! Bola para o Benfica.

45+1' Intervalo no Jamor! O Benfica está a vencer na final da Taça de Portugal, golo de Nico Gaitán, aos 30 minutos.

45' Addy desperdiça! Excelente lance individual do lateral, a passar por dois jogadores e a entrar na grande área, mas depois não teve forças para rematar, perante a pressão de Garay.

43' Lima falha por pouco! Na melhor jogada do Benfica na primeira parte, Maxi Pereira tabelou com Salvio e assistiu Lima, que teve tempo para tudo, mas atirou por cima do alvo, já na grande área.

42' Remate de longe de Tiago Rodrigues, mas sem perigo para Artur.

41' Cartão amarelo para Enzo Pérez, após entrada sobre Ricardo.

39' Cruzamento atrasado e sempre perigoso de Gaitán, mas Leonel Olimpio tirou a bola da grande área, mais uma vez.

37' Ricardo está a passar ao lado do jogo. Lima também está um pouco apagado na dianteira do Benfica. Muita luta a meio-campo e pouco espaço onde se jogar.

34' Cartão amarelo para Matic, o primeiro do jogo, por agarrar Kanu.

32' Curiosa a reação de Jorge Jesus: no espaço de segundos passou da fúria (cinco jogadores do Vitória para dois do Benfica, na grande área) à alegria (golo de Gaitán).

30' GOLO DO BENFICA! NICO GAITÁN FAZ O 1-0! E é a lei do futebol: quem não marca, sofre. Kanu, na tentativa de tirar a bola da grande área, rematou contra o calcanhar de Gaitán e a bola foi parar ao fundo das redes. Golo caricato, mas que coloca o Benfica mais perto de vencer a Taça de Portugal, nove anos depois.

29' Que perdida do Vitória! Na melhor ocasião de golo até o momento, cinco jogadores do Vitória apareceram na grande área, onde estavam apenas dois jogadores do Benfica, mas Baldé, na tentativa de "picar" a bola, atirou à malha lateral.

28' Cardozo ganha o lance na grande área e cruza para Lima, mas Kanu, rapidíssimo, conseguiu antecipar-se ao brasileiro e cedeu canto.

26' Vitória muito coesa no retaguarda, a impedir que o Benfica aproveite o espaço nas costas da defesa.

24' Saída e entrada perigosas de Douglas, mas Lima estava em fora de jogo e o lance foi interrompido.

22' Pontapé livre perigoso de Gaitán, que sofre um desvio e, depois, fica a "pingar" na grande área até El Adoua limpar o lance.

20' Vitória fiel aos seus processos, sempre a apostar no futebol direto para Amido Baldé, que tem dado bastante luta aos centrais Garay e Luisão.

18' Salvio solta-se da marcação e ganha a linha de fundo, mas o cruzamento não teve seguimento na grande área. Benfica começa a "apertar" a equipa do Vitória.

17' Remate de longe de André André, sem conseguir acertar com o alvo.

16' Lance individual de Cardozo, a soltar-se da marcação e a rematar em jeito, mas Douglas conseguiu defender o remate rasteiro do paraguaio.

13' Cruzamento perigoso de Gaitán, para um corte providencial de Addy, perante a proximidade de Cardozo.

10 Grande defesa de Douglas! Na sequência de um pontapé de canto, Garay, sem marcação, cabeceou "picado", mas Douglas voou para a bola e cedeu novo pontapé de canto.

10' Salvio entra na grande área e tenta ganhar a linha, mas El Adoua conseguiu ceder canto, quando Lima pedia o cruzamento para finalizar.

9' Benfica ainda sem conseguir chegar à grande área adversária. Bem o Vitória a fechar os espaços, quer no corredor central, quer nas alas.

7' Artur despesa a bola para o meio-campo, perante a proximidade de Baldé, que quase desarmava o guarda-redes.

5' Primeiro ataque com algum perigo da equipa do Vitória: cruzamento largo de Addy para a grande área, onde Baldé, na grande área, não conseguiu ganhar o lance.

4' Início típico de uma final: muita luta a meio-campo, com as duas equipas preocupadas em povoar o "miolo".

1' Cinco portugueses no "onze" do Vitória e apenas um na equipa do Benfica. É a final com menos portugueses da história da Taça de Portugal e, também, aquela em que menos futebolistas lusos jogam pelo Benfica. Neste caso, apenas André Almeida.

1' Jorge Sousa apita para o início do jogo! Bola para o Vit. Guimarães.

BENFICA: Artur Moraes; Maxi Pereira, Luisão, Garay, André Almeida; Matic, Enzo Pérez, Salvio, Nico Gaitán; Lima e Oscar Cardozo. Suplentes: Paulo Lopes, Jardel, Melgarejo, André Gomes, Pablo Aimar, Urreta e Rodrigo.

VIT. GUIMARÃES: Douglas; Kanu, Paulo Oliveira, El Adoua, David Addy; Leonel Olimpio, André André; Ricardo, Tiago Rodrigues, Soudani; Amido Baldé. Suplentes: Assis, N'Diaye, Alex, João Ribeiro, Barrientos, Crivellaro e Marco Matias.

O Benfica procura este domingo conquistar a 25.ª Taça de Portugal, na 34.ª final, frente ao Vitória de Guimarães, que já esteve em cinco decisões, sem conseguir qualquer conquista, na final a disputar no Estádio Nacional.

Os "encarnados" vão tentar conquistar o único troféu que resta de uma época futebolística em que quase tocou o céu, mas, no regresso ao Jamor, oito anos depois, terá de ultrapassar um Vitória de Guimarães à procura de erguer a sua primeira Taça de Portugal.

Depois de ter falhado a conquista do campeonato nacional e da Liga Europa, as perspetivas de sucesso do clube lisboeta resumem-se ao triunfo no terceiro objetivo da temporada e reeditar o triunfo de 2004, quando venceu o FC Porto na final, por 2-1.

Já as cinco presenças do Vitória de Guimarães no jogo decisivo saldaram-se por outras tantas desilusões para os minhotos e na última visita ao complexo desportivo de Oeiras, em 2011, saiu mesmo goleado pelo FC Porto, por 6-2, um dos resultados mais desnivelados da final da competição.

As equipas do Benfica e do Vitória de Guimarães disputam no domingo a 73.ª final da Taça de Portugal, no Estádio Nacional, em Oeiras, em jogo com início às 17:15 horas, sob a arbitragem de Jorge Sousa, da Associação de Futebol do Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.