Um sexto lugar e a segunda melhor classificação de sempre

O Leixões garantiu hoje o sexto lugar da Liga portuguesa de futebol, ao bater o Marítimo por 1-0, com um golo de Diogo Valente, em jogo da 30.ª e última jornada da prova.

A sexta posição, com 45 pontos, não dá acesso às competições europeias, mas é a segunda melhor classificação da história do Leixões, apenas superada pelo quinto posto alcançado em 1962/63.

O Marítimo termina o campeonato num decepcionante nono lugar, com 37 pontos, fruto de uma sequência de cinco derrotas consecutivas.

A festa matosinhense começou antes do início do encontro, com os jogadores, equipa técnica e elementos da SAD, incluindo o presidente Carlos Oliveira, a serem ovacionados pelas bancadas.

O presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Guilherme Pinto, também marcou presença e prometeu um Leixões "ainda mais forte" na próxima temporada.

A primeira parte foi pouco interessante e disputada a um ritmo lento, mas o Leixões dispôs das melhores ocasiões para quebrar o nulo.

Diogo Valente, aos seis minutos, viu o seu remate cortado em cima da linha por Luís Olim, enquanto que aos 21 foi Roberto Sousa a ameaçar o golo, num remate desviado para canto.

Os insulares dividiram a posse de bola, mas tiveram uma única oportunidade para marcar, através de um livre directo cobrado por João Guilherme, aos 26 minutos, que saiu pouco ao lado da baliza de Beto.

A fechar o primeiro tempo, aos 42 minutos, Braga foi isolado por Diogo Valente, mas rematou contra os pés do guardião Marcos, que se despediu dos madeirenses, após seis temporadas.

Na segunda parte, o Leixões conseguiu tomar conta do encontro, mas falhou bastante no último passe, perante um Marítimo tímido no ataque.

Aos 70 minutos, já depois da entrada do avançado Rodrigo Silva para o lugar de Zé Manuel, os matosinhenses alcançaram a merecida vantagem: Laranjeiro cruzou na direita, Braga falhou o remate e Diogo Valente encostou para o 1-0

Ao minuto 83, o leixonense Roberto Sousa tocou a bola com a mão na sua grande área, mas o guarda-redes Beto evitou a igualdade ao defender o penalti correspondente, cobrado por Marcinho.

Nos últimos 10 minutos, e já com o jovem Fidelis, da equipa B, em campo, o Marítimo pressionou e tentou chegar ao empate, mas não voltou a ter oportunidades para alvejar a baliza leixonense.

Ficha de jogo

Jogo disputado no Estádio do Mar, em Matosinhos.

Leixões -- Marítimo, 1-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Diogo Valente, 70 minutos.

Equipas:

- Leixões: Beto, Laranjeiro, Sandro, Elvis, Angulo, Bruno China, Roberto Sousa, Hugo Morais, Zé Manuel (Rodrigo Silva, 64), Braga (Jean Sony, 78) e Diogo Valente (Brandón, 89).

(Suplentes: Berger, Brandón, Roberto, Vasco Fernandes, Castanheira, Jean Sony e Rodrigo Silva).

- Marítimo: Marcos, Briguel, João Guilherme, Luís Olim, Taka (Fidelis, 86), Fernando Silva (Vítor Júnior, 78), João Luiz, Miguelito, Marcinho, Babá e Djalma (Ytalo, 69).

(Suplentes: Cristopher, Fernando Cardozo, Bruno, Fidelis, João Diogo, Ytalo e Vítor Júnior).

Árbitro: João Capela (Lisboa).

Acção disciplinar: cartão amarelo para Sandro (40), Zé Manuel (54), João Luiz (69), Taka (80), Roberto Sousa (83) e Babá (87).

Assistência: cerca de 5.000 espectadores.

JYB

Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.