Soares Franco desiste da corrida à Federação

Filipe Soares Franco anunciou na noite de terça-feira que se retira da candidatura à presidência da Federação Portuguesa de Futebol.

Num comunicado, o antigo presidente do Sporting critica as movimentações pelo poder no futebol português. "Não são ideias ou propostas que interessam mas apenas pessoas e apoios", defende, convicto de que "não se encontram reunidas as condições mínimas para desenvolver" o seu projecto "ou sequer disputar, livremente e construtivamente, a presidência da Federação".

Leia o comunicado na íntegra:

"No passado dia 8 de Setembro, depois de um período de reflexão, decidi apresentar a minha candidatura à Presidência da Federação Portuguesa de Futebol. Animava-me uma forte motivação para desenvolver um novo projecto para o Futebol Nacional: mais ambicioso, mais abrangente e sustentável. Apresentei, no meu Manifesto, os eixos sobre os quais penso que devia assentar esse projecto assim como as áreas que deviam ser potencializadas. Lancei, com a minha candidatura e o projecto que lhe servia de suporte, um desafio sério e consistente: promover o diálogo entre todos os que servem o futebol nacional para, em conjunto, construir uma nova forma de estar e gerir o futebol nacional.

Hoje, passado um mês, considero que não se encontram reunidas as condições mínimas para desenvolver o meu projecto ou sequer disputar, livremente e construtivamente, a presidência da Federação. Não são ideias ou propostas que interessam mas apenas pessoas e apoios. É a contabilidade da corrida ao poder, do contar de espingardas, da necessidade quase infantil de não perder a onda dos mais variados interesses instalados, em detrimento do debate franco e aberto em torno dos projectos que justificam o poder e que sem dúvida levarão o futebol no caminho da sustentabilidade.

Decidi, pois, hoje, retirar a minha candidatura, ciente de que se perde assim uma ocasião e uma oportunidade únicas para debater em profundidade o Futebol Nacional."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.