Presidente da AFL quer defender "verdade desportiva"

Nuno Lobo mostra-se convicto em proteger clubes de Lisboa, como Benfica e Sporting, para que eventuais conflitos entre ambos não beneficiem FC Porto.

O presidente da Associação de Futebol de Lisboa (AFL), Nuno Lobo, juntou Benfica e Sporting à mesma mesa porque quer que Lisboa tenha uma só voz e seja uma muralha na defesa dos seus clubes e da verdade desportiva.

"Estarei muito atento à verdade desportiva, serei uma voz incómoda e intransigente na defesa dos clubes de Lisboa e não vou permitir mais que sejam prejudicados como o têm sido nos últimos anos", disse Nuno Lobo à agência Lusa, quando questionado sobre se concordava com a ideia de que o FC Porto tem beneficiado das más relações entre o Benfica e o Sporting.

A promessa de defesa da verdade desportiva decorre, segundo Nuno Lobo, dos "erros consecutivos que têm prejudicado" os clubes lisboetas, quer "a nível de arbitragem" quer a nível de "tudo aquilo que contribuiu" para o afastamento de Lisboa da liderança, como "deixar de ter uma voz atuante nos fóruns do futebol, como as assembleias gerais da Liga e da FPF [Federação Portuguesa de Futebol]".

O responsável pela AFL não quis, no entanto, opinar sobre o trajeto e as condições em que o FC Porto alcançou as suas vitórias, pelo facto de se tratar de um clube alheio à instituição a que preside.

Nuno Lobo juntou no início do mês Benfica e Sporting, que se fizeram representar pelos administradores das respetivas SAD, Rui Gomes da Silva e Luís Duque, à mesma mesa, num hotel da capital, encontro esse que suscitou várias especulações sobre o objetivo da iniciativa, tendo em conta as más relações atuais entre os dois grandes de Lisboa.

Instado a explicar o que o moveu nessa iniciativa, Nuno Lobo deu conta da pretensão de "promover o diálogo e as sinergias comuns" entre todos os clubes da capital, sendo certo que, "estando Benfica e Sporting do mesmo lado", partilhando a mesma visão, "tudo será mais fácil para que Lisboa volte a triunfar no futebol nacional".

"Acredito, acima de tudo, no diálogo. Se houver, estamos muito perto da pacificação. E quero dizer que há muito mais coisas que unem o Benfica e o Sporting do que os desune. Conto com os dois grandes para que Lisboa fale a uma só voz e seja a muralha do futebol nacional", disse.

Para o presidente da AFL, "se calhar, houve palavras não compreendidas" entre o Benfica e o Sporting e outros clubes de Lisboa, suscetíveis de gerar conflitos, e tudo seria mais fácil "se houvesse uma mediação, como está a haver agora, e alguém que ouça os clubes, que procure fazer pontes e criar sinergias para o futuro".

Houve três motivos, segundo Nuno Lobo, para juntar os representantes das SAD de Benfica, Sporting e Estoril, na pessoa do seu presidente, Tiago Ribeiro: "O primeiro foi encetar o diálogo para a defesa dos interesses comuns, o segundo a manifestação da minha disponibilidade para ser o líder atuante e o interlocutor dos clubes de Lisboa a nível nacional e o terceiro o desafio que lancei aos clubes da I Liga, que estenderei aos da II, para que já no próximo ano se volte a realizar a Taça de Honra de Lisboa".

Nuno Lobo explicou, ainda, que escolha dos nomes de Rui Gomes da Silva e Luís Duque foi da responsabilidade das respetivas SAD, depois do convite que ele próprio endereçou a ambas no sentido de se fazerem representar no referido encontro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.