Portugal vence Grécia e mantém esperança na qualificação

Portugal manteve hoje as esperanças de qualificação para o Europeu de futebol sub-21 de 2011, ao vencer a Grécia por 2-1, em Olhão, com os golos lusos a serem apontados por Rui Pedro (51 minutos) e Yazalde (74).

Apesar de a Grécia ainda ter reduzido por Elini Dimoutsos (91), o triunfo não fugiu à equipa portuguesa, que somou sete pontos e ocupa a terceira posição do Grupo 9 de qualificação para o Europeu da Dinamarca, a quatro pontos da Inglaterra, segunda classificada, que hoje empatou 0-0 na Lituânia, e a seis dos helénicos, que lideram, com 13 pontos, mas mais um jogo do que portugueses e ingleses.

Portugal entrou com uma estrutura mais ofensiva do que no jogo de sábado com a Inglaterra (derrota por 1-0), com o técnico Oceano Cruz a colocar Ventura na baliza, uma defesa com Pereirinha, Daniel Carriço, Miguel Vítor e Fábio Faria, André Santos, Pedro Moreira e Rui Pedro no meio campo, com os extremos João Aurélio e Ukra no apoio ao ponta de lança Yazalde.

Obrigado a vencer para não perder as esperanças de chegar ao Europeu, Portugal entrou bem no jogo e, logo aos cinco minutos, Yazalde cabeceou na pequena área sem oposição, após canto marcado por Pereirinha e desviado ao primeiro poste por Daniel Carriço, mas o guarda-redes grego Nikolaos Bampaniotis evitou o golo luso.

Os sub-21 portugueses dominaram as operações nos primeiros 25 minutos, sempre com mais posse de bola, mas esse ascendente não se traduziu em jogadas de perigo na área da Grécia, que tentava aproveitar qualquer oportunidade para fazer jogo directo e tentar tirar proveito da maior estatura dos seus jogadores.

Aos 36 minutos, Yazalde conseguiu chegar a uma boa abertura para as costas da defesa do extremo João Aurélio, mas o guarda-redes grego saiu bem dos postes e cortou o ângulo de remate ao português e, aos 41, foi Pereirinha quem tentou a sorte de longe, com a bola a sair ligeiramente ao lado.

Sem golos ao intervalo, a equipa portuguesa entrou de novo ao ataque e, no segundo minuto, o remate em jeito de Ukra, após uma boa jogada de Pereirinha, obrigou o guarda-redes grego a aplicar-se para evitar o golo português, que acabou por chegar no minuto 51, num cabeceamento certeiro de Rui Pedro, após cruzamento bem medido do lateral-direito do Sporting para o meio dos centrais helénicos.

Sem criar verdadeiro perigo até então, a Grécia aproximou-se da área lusa com perigo aos 64 minutos, mas valeu a intervenção do "capitão" português Daniel Carriço a tirar a bola do alcance do avançado grego Athanasios Papazoglou.

No minuto seguinte, Oceano tirou Rui Pedro e colocou Adrien Silva, fortalecendo o meio-campo, e cinco minutos depois Ukra (um dos melhores em campo) saiu esgotado, entrando para o seu lugar Fredy.

Uma perda de bola de um jogador grego permitiu a Portugal chegar ao segundo golo, aos 74 minutos, apontado por Yazalde, que recebeu a bola em profundidade de João Aurélio, entrou na área e, à saída do guarda-redes grego, rematou rasteiro para a baliza, concluindo da melhor forma uma grande jogada de contra-ataque.

Com a Grécia em desvantagem e a tentar correr atrás do prejuízo, Portugal ficou com mais espaço e, três minutos depois, Yazalde falhou incrivelmente o terceiro golo luso, ao rematar dentro da pequena área por duas vezes, com o "guardião"" helénico a opor-se bem às tentativas do ponta-de-lança luso, que pouco depois dava o lugar a Rabiola, um dos jogadores da casa.

Pedro Moreira, aos 80 minutos, também rematou de longe, forte, mas Bampaniotis voltou a fazer uma excelente defesa.

No primeiro minuto de compensação, e quando nada fazia prever, a Grécia chegou ao golo num remate em jeito de Elini Dimoutsos, que não deu hipóteses a Ventura, mas a vitória estava assegurada, conservando as esperanças de qualificação lusas para o Europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)

Premium

Viriato Soromenho Marques

O monoteísmo do "deus dólar" continua

Em 1866, o jovem Eça de Queirós aproveitou a passagem por Lisboa do moderníssimo couraçado norte-americano USS Miantanomah para escrever na imprensa algumas notas penetrantes sobre a identidade dos EUA. No essencial ele identificava uma tensão matricial em Washington, definida pela oposição entre o "deus dólar", que explicava a violência expansiva, mesmo desumana, do seu capitalismo, e o impulso para a "justiça", traduzido na abolição da escravatura ao preço do enorme sacrifício da Guerra Civil, terminada no ano anterior. Gostaria muito de poder subscrever a tese de que nas recentes eleições intercalares a justiça prevaleceu sobre a idolatria do capital. Infelizmente, o sinal positivo dado pelos eleitores é ainda insuficiente para atenuar a gravíssima patologia da democracia nos EUA.