Paulo Pedro apresentado no Atlético

Novo treinador da equipa da Tapadinha assinou contrato até ao final da presente época.

Paulo Pedro foi apresentado esta quarta-feira como treinador principal do Atlético, equipa da Liga de Honra de futebol, sucedendo a Carlos Pereira que interinamente ocupou o cargo após a demissão de João de Deus.

Ex-adjunto de Paulo Duarte na seleção de futebol do Burkina Faso, Paulo Pedro, de 41 anos, rubricou contrato até ao final da época com possibilidade de renovação e tem agora a oportunidade de liderar uma equipa técnica.

O Atlético estava a ser comandado interinamente por Carlos Pereira, treinador de guarda-redes, depois da demissão de João de Deus, a 26 de fevereiro, após a vitória (1-0) sobre o Arouca. O facto de ter apenas o segundo nível do curso de treinador obrigou a direção liderada por Almeida Antunes a procurar uma solução para o comando técnico.

Paulo Pedro irá ter o seu primeiro teste no domingo, aquando da deslocação do Atlético ao campo do Sporting da Covilhã, em jogo da 23.ª jornada da Liga da Honra, agendado para às 16 horas.

O Atlético, quinto classificado com 34 pontos, em igualdade com a Naval, tem praticamente garantida a manutenção na Liga de Honra. O Covilhã é antepenúltimo, com 22 pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.