Paços de Ferreira arrancou empate ao Sp. Braga

O Sporting de Braga esteve a ganhar por 2-0 em Paços de Ferreira, mas a equipa da capital do móvel conseguiu empatar o jogo aos 90 minutos (2-2).

- Aos 90 (+5) acabou o jogo e o Sp. Braga perdeu mais dois pontos. Empate premeia bom jogo do Paços de Ferreira. 

- GOLO DO PAÇOS FERREIRA. Cohene marca aos 90 minutos. Canto de Manuel José na esquerda e o central pacense a saltar mais alto que todos, cabeceando para o fundo das redes. Está feito o empate.

- Aos 87 minutos bola na barra de Felipe! Remate cruzado de Manuel José, com a bola a ser devolvido pelo ferro. Muita sorte para o Sp. Braga.

- Aos 85 Domingos mexe na equipa. Substituição de Luís Aguiar por Hugo Viana.

- Aos 79 minutos ocasião para o P. Ferreira fazer o empate. Primeiro um remate de de longe David Simão para defesa de Felipe; na recarga, Amond atira para nova defesa do brasileiro e logo em seguida, Elderson, num corte deficiente, atira ao poste da sua baliza!

- Aos 78 minutos o Paços está mais forte e tenta o empate. Substituição de Samuel por Maykon.

- GOLO DO PAÇOS FERREIRA. É um golo simplesmente fantástico de Baiano. De pé esquerdo, disparou um míssil a mais de 25 metros da baliza, com a bola a alojar-se no ângulo superior direito de Felipe.  1-2 aos 69  minutos.

- Ao minuto 58, há duas mexidas no Paços de Ferreira. Sairam Bruno e Leonel Olímpio e entraram Amand e David Simão.

- GOLO DO SP. BRAGA. Luís Aguiar faz o 0-2, ao minuto 56. Após uma triungulação com Paulo César, o urugaio passou pela defesa pacence e atirou para o 0-2

- A segunda parte começou numa toada morna e o lance de maior perigo foi um livre de Manuel José, aos 52.

INTERVALO: 0-1 no marcador. Mesmo sem deslumbrar, o Sp. Braga vai conseguindo uma importante vitória, fundamental para pôr fim a uma má fase da equipa minhota. O Paços de Ferreira vai respondendo quando pode, principalmente através da rapidez dos seus avançados, como o irrequieto Caetano.

- O Paços de Ferreira vai tentando surpreender o Braga, mas a melhor ocasião dos últimos minutos da primeira parte é, novamente, dos minhotos. Aos 38', Moisés volta a cabecear, com perigo, mas agora ao lado da baliza de Coelho.

- Ao minuto 28, o Sporting sofre uma contrariedade: Rodriguez lesiona-se e é substituído por Paulão.

- GOLO DO SP. BRAGA. Moisés faz o 0-1, ao minuto 11. Na sequência de um canto apontado por Luís Aguiar, o central brasileiro cabeceou para o golo.

- Nos primeiros minutos, o jogo segue muito dividido a meio-campo, mas os minhotos vão tentando tomar a iniciativa.

- No P. Ferreira-Sp.Braga, da 5.ª jornada, os minhotos tentam dar a volta às duas derrotas sofridas na últimas semana (3-2 com o FC Porto e 6-0 com o Arsenal) e continuar nos primeiros lugares da Liga (têm sete pontos). Já os "castores", actuais sétimos classificados do campeonato (seis pontos), ainda não perderam para a Liga e, se ganharem, até podem ultrapassar o rival de hoje.

- Onzes iniciais:
P. FERREIRA: Coelho; Baiano, Cohene, Samuel e Jorginho; André Leão e Leonel Olímpio; Manuel José, Bruno Di Paula e Caetano; Nélson Oliveira.
SP. BRAGA: Felipe; Sílvio, Rodríguez, Moisés e Elderson; Vandinho, Leandro Salino e Luís Aguiar; Alan, Lima e Paulo César.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.