Olhanense garante reforços Dionisi e Murillo Mendes

Dionisi, avançado italiano, e Murillo Mendes, médio ofensivo brasileiro, foram os últimos reforços contratados pela equipa de Abel Xavier.

O Olhanense, da I Liga portuguesa de futebol, fechou nesta segunda-feira o seu plantel com mais dois reforços, o dianteiro italiano Dionisi e o médio ofensivo Murillo Mendes.

O avançado Federico Dionisi, 23 anos, representava desde 2009 o Livorno, da segunda divisão italiana, que o emprestou ao emblema de Olhão por uma temporada.

Por seu lado, o brasileiro Murilo Mendes, 18 anos, assinou em definitivo com o Olhanense, por quatro épocas, depois de nos últimos meses ter estado à experiência em alguns clubes italianos.

Em sentido contrário, o brasileiro Caju, que chegou a ser apresentado como reforço, rescindiu, à semelhança de David Silva e Yontcha, que representaram o Olhanense na época passada.

Por outro lado, o guarda-redes Leandro Turossi vai ser emprestado ao Moncarapachense, da I divisão distrital do Algarve.

Com três jornadas disputadas, o Olhanense ocupa o décimo lugar na I Liga, com quatro pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.