O que o Football Leaks diz de Sporting, FC Porto e Benfica

O que cai na internet. Verdade? Mentira? Pirataria?

Jesus, Carrillo, Cervi, Paulista e Mitroglou

O Sporting tem sido o principal alvo do Football Leaks. O que causou maior burburinho foi o alegado contrato de Jesus com os leões, ficando-se a saber, por exemplo, que o treinador aufere cinco milhões e quatro euros anuais e que caso vença o título recebe dois milhões de prémio. Mas surgiram mais, como a contratação de Bruno Paulista, tendo como intermediário os angolanos do Recreativo Caála, o mesmo clube que estava na disposição de ajudar os leões a contratar Cervi. O contrato de aquisição de Mitroglou também foi publicado e ontem surgiu uma minuta de contrato com Carrillo. Este mesmo não renovando comprometia-se apenas a não jogar noutro clube nacional até 2021. Caso contrário teria de pagar 25 milhões de euros. Mas o peruano ter-se-á recusado a assinar.

Danilo via Algarve, Imbula partilhado

O FC Porto foi ontem visado pela segunda vez pelo site Football Leaks. Depois de ter revelado que Danilo chegou ao Dragão através do Portimonense, ontem surgiram documentos relacionados com Imbula. Entre eles, um acordo de joint-venture em que o FC Porto detém 50% do passe e depois os restantes 50% estão na posse de Nélio Lucas, CEO da Doyen, e da Vela Management, empresa associada da Doyen.À CMVM o FC Porto informou que tinha adquirido 100% dos direitos económicos e desportivos. E a FIFA proíbe no momento a partilha de passes. Ao mesmo tempo, o Marselha reclama o pagamento de 10 milhões ao FC Porto, por duas prestações já vencidas. Contudo, a SAD reagiu dizendo que os dois clubes acordaram novas datas.

Receitas como garantia por Ola John

O Benfica tem sido o grande nacional menos visado pelo Football Leaks. Às referências indiretas nos casos Cervi e Mitroglou nos dias anteriores juntaram-se ontem dados relativos a Ola John. O Benfica deu como garantia as receitas da UEFA desta temporada caso registasse atrasos junto da Doyen, que comprou 50% do passe do holandês ao Benfica por 5,95 milhões. Em 2012, o Benfica passou a ter 100% do passe de Ola John, com a Doyen a ter direito a ser ressarcida dos 5,95 milhões se o jogador não fosse transferido até 31 de agosto último. Como foi emprestado, as partes renegociaram. Ola John custou ao Benfica 9,15 milhões de euros, com um contrato gradualmente aumentado que começou no um milhão de euros anuais ilíquidos e que nesta época já ia nos 1,6 milhões.

Sporting relaciona comentadores do Benfica no caso Football Leaks

O Sporting apresentou uma queixa no piquete da Polícia Judiciária na noite de quarta-feira devido ao facto de documentos confidenciais do clube terem sido divulgados pelo site Football Leaks (entre eles o contrato de Jorge Jesus), que tem sido responsável pelo maior terramoto em Portugal no que toca à divulgação de documentos, em especial dos três grandes clubes nacionais, sobretudo do Sporting.

O DN sabe que na queixa apresentada, o Sporting relaciona os comentadores afetos ao Benfica, Pedro Guerra e António Simões, por terem feito referência, de forma diferente, a documentos que surgiram a posteriori no endereço eletrónico alojado na Rússia, que só começou a soltar documentos na terça-feira.

Pedro Guerra, no passado dia 14 de setembro, mostrou no programa Prolongamento, da TVI 24, um draft do contrato tripartido entre Sporting, Fulham e Mitroglou, que previa a contratação do avançado agora vinculado ao Benfica. O mesmo draft surgiu no Football Leaks logo na terça-feira. Confrontado pelo DN com o facto de ter sido relacionado pelo Sporting, Pedro Guerra respondeu à letra: "Normalmente, aqueles que veem mais fantasmas são os que têm mais esqueletos no armário. Só sou responsável pelo que digo. Nada mais do que isso. Limitei-me apenas a mostrar um draft do contrato entre o Sporting e o Mitroglou, cuja autenticidade foi negada pelo Sporting."

Já António Simões, num debate com Augusto Inácio no programa Play-off, da SIC Notícias, transmitido em direto no último domingo, garantiu que o argentino Cervi, entretanto contratado pelo Benfica, chegaria ao Sporting após escala em África. Veio a saber-se depois, através do Football Leaks, que se referia ao clube angolano Recreativo de Caála. Nessa discussão, António Simões rematou com uma revelação, perante a resistência de Inácio: "Tenho documentos que provam isso."

Ontem, ao DN, António Simões deu a sua versão: "Não mostrei qualquer documento na televisão. A propósito do Cervi, disse apenas aquilo que tinha lido, que se prendiam com as declarações do presidente do Rosário Central. Não tenho nada que ver com estes documentos do Football Leaks. Apenas me limitei a seguir a notícia que li. Esta questão só surgiu porque houve uma crispação com o Augusto Inácio no programa e depois disso tive acesso a documentos que são públicos e que apenas dizem respeito ao caso Cervi, nada têm que ver com outros casos que falam. Perante aquela crispação do Inácio procurei informar-me junto do Benfica sobre o caso Cervi. Nunca falei de outro assunto a não ser este do Cervi. Quem me quiser ouvir estarei disponível para fazer todos os esclarecimentos."

Pirataria ou garganta funda?

No que diz respeito à queixa do Sporting, o DN sabe que a investigação deverá ser feita pela brigada de crimes informáticos da PJ, que tudo aponta para que o clube de Alvalade tenha sido alvo de um ataque informático. Porém, apesar de iniciar a investigação nesta linha, a Judiciária não descarta outras hipóteses, como a da existência de uma "garganta funda" em Alvalade que voluntariamente passou documentos para o exterior. O que parece quase certo, segundo informações recolhidas pelo DN, é que Pedro Guerra e António Simões deverão ser chamados a prestar declarações para esclarecerem de que modo tiveram acesso às informações divulgadas pelo Football Leaks.

Também durante o dia de ontem surgiram mais documentos a envolver um suposto atraso no pagamento do FC Porto ao Marselha por Imbula e ainda o contrato que liga Ola John ao Benfica, com o envolvimento da Doyen, que ajudou a pagar o extremo ao Twente. B.P./C.N./C.R.L.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.