Nuno Lopes, Edimar e Ronny reforçam o Rio Ave

Vilacondenses garantem três reforços com experiência de I Liga: Nuno Lopes assinou por duas épocas, enquanto Edimar e Ronny foram emprestados pelo Cluj.

O Rio Ave anunciou nesta sexta-feira a contratação do defesa Nuno Lopes (ex-Beira-Mar), que assinou um vínculo por duas temporadas, e a chegada do defesa Edimar e do avançado Ronny, que vêm por empréstimo do Cluj, da Roménia.

Nuno Lopes, de 26 anos, lateral direito português, já treinou com o plantel do Rio Ave, enquanto que os outros dois jogadores, ambos brasileiros, devem integrar o grupo nos próximos dias.

Para Edimar trata-se de um regresso a Vila do Conde, uma vez que o lateral esquerdo, de 27 anos, já tinha alinhado na temporada passada no emblema da foz do Ave, também por empréstimo do Cluj.

Já o avançado Ronny, de 30 anos, que também chega cedido pelo clube romeno, volta a alinhar no futebol português, depois de passagens pelo Paços de Ferreira e, mais tarde, pelo Beira-Mar.

No plano desportivo, o Rio Ave participa, no sábado e no domingo, no torneio quadrangular da Póvoa de Varzim, onde também participam as equipas do Gil Vicente, do Famalicão e do anfitrião Varzim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.