Nacional vence "derby" Madeirense

Dois golos do brasileiro Edgar Silva deram hoje ao Nacional a primeira vitória na liga portuguesa de futebol, frente ao Marítimo (2-1), em jogo da quinta jornada disputado no Estádio da Madeira, no Funchal.

No bem disputado "derby" madeirense entrou melhor a equipa comandanda por Carlos Carvalhal, perante um Nacional expectante, mas muito coeso no sector defensivo.

Pese embora tenha dominado até à meia hora de jogo, o Marítimo não conseguiu criar situações de perigo junto à baliza defendida por Rafael Bracalli, excepção para um remate de Miguelito, superiormente defendido pelo guarda-redes brasileiro.

A partir de então, o Nacional equilibrou a partida, tornou-se mais acutilante e por pouco não marcou por Luís Alberto, que rematou ligeiramente ao lado, após passe magistral de Rúben Micael, aos 32 minutos.

Dois minutos volvidos, o avançado brasileiro Edgar Silva, bem assistido por Rúben Micael, fugiu à marcação de Robson e rematou para o fundo das redes à guarda de Peçanha.

Com o golo do Nacional, o jogo ganhou emoção e qualidade com ambas as equipas em constante movimentação e na luta pela posse de bola.

Um lance dividido entre os brasileiros Kanu e Luis Alberto, aos 44 minutos, resultou numa lesão grave do avançado do Marítimo e na imediata expulsão do médio do Nacional por parte do portuense Paulo Costa.

Reduzido a 10 unidades, o treinador dos "alvinegros", Manuel Machado, retirou o avançado Amuneke, lançando o defesa argelino Halliche, enquanto Carlos Carvalhal, apostou na prestação de Djalma.

Para a segunda parte, o treinador do Marítimo lançou Paulo Jorge na posição de Briguel, conferindo maior apoio ofensivo pela ala direita da sua equipa. Machado respondeu com a entrada de João Aurélio, retirando o avançado Mateus.

A vantagem numérica catapultou os maritimistas para o domínio do jogo e foi com naturalidade que o angolano Djalma, a passe de Marcinho, empatou o marcador aos 56 minutos.

A dupla Marcinho/Djalma voltou a se entender aos 67 minutos, mas desta vez o angolano falhou o alvo.

Empurrada para o último terço do campo, a equipa do Nacional defendia como podia ante as investidas do Marítimo, mas Manuel Machado jogou a última cartada, e colocou o esloveno Pecnik no apoio a Edgar Silva.

Aos 76 minutos, Filipe Lopes fez um "balão" desde o meio campo e perante a desatenção de Fernando Cardozo, Edgar Silva foi matreiro e bisou ante o desamparado Peçanha.

Até ao final do encontro, o Nacional geriu bem a vantagem, perante um Marítimo desesperado e nem a estreia de Kléber Pinheiro na Liga, contribuiu para inverter o marcador.

Boa arbitragem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.