Mario Rondón pensa em Espanha ou Inglaterra

O avançado venezuelano do Nacional admitiu a possibilidade de deixar a Choupana no final da época, após 10 épocas no futebol português.

O avançado Mario Rondón, do Nacional, clube da I Liga, admitiu nesta quinta-feira haver clubes interessados na sua contratação e, sem falar em nomes, afirmou que gostaria de jogar nas Ligas espanhola ou Lnglesa.

O internacional venezuelano, melhor marcador da equipa orientada por Manuel Machado, garante não haver ainda nada de concreto, apesar dos convites que têm chegado.

"Há vários clubes interessados, mas não há ainda nada de concreto. Tenho contrato com o Nacional, mas nunca escondi a minha ambição e sempre mostrei vontade em jogar noutras ligas, como a espanhola ou a inglesa", afirmou o jogador em conferência de imprensa.

Satisfeito pelo facto de a equipa ter cumprido o objetivo da época, ao garantir o quinto lugar e a presença numa competição europeia, o jogador mostra-se confiante em voltar a marcar um golo ao Sporting, próximo adversário, na 29.ª jornada.

"Já marquei ao Sporting, porque é que desta feita não o irei conseguir? Creio que com a ajuda dos colegas vou marcar e acredito que a equipa vai fazer um grande jogo e tentar vencer", referiu Rondón, 28 anos, que leva 12 golos na I Liga.

O Nacional, quinto classificado, com 44 pontos, recebe o Sporting, segundo, com 66, a 3 de maio, em jogo relativo à 29.ª jornada da I Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.