Jonas fugiu da farmácia e Jackson driblou a fome

Goleadores de Benfica e FC Porto tiveram percursos muito diferentes. As histórias contadas por quem os acompanhou no início.

Jonas, 31 anos, e Jackson Martínez, 28, são os dois homens-golo da Liga. O colombiano do FC Porto tem mais um remate certeiro do que o brasileiro do Benfica no topo da lista de melhores marcadores (17 contra 16), o que significa que o clássico de domingo, decisivo para o título, terá um duelo entre os dois maiores goleadores do campeonato.

Os dois avançados têm em comum o facto de terem nascido em pequenas localidades. Jonas em Taiúva, no interior do estado de São Paulo, que no século XIX era conhecida pela produção de café; Jackson em Quibdó, quase 200 quilómetros a oeste de Medellin, que se destaca por estar junto à maior reserva natural da Colômbia. Este é, no entanto, o único ponto de ligação entre ambos. Jonas cresceu numa família de classe média, onde os pais, ambos professores, incentivaram-no a tirar um curso universitário. Jackson tem raízes mais humildes em que a luta contra a fome chegou a atingir um ponto de dramatismo.

Quem conheceu o avançado do FC Porto quando era criança fica espantado com a sua evolução. Até aos 12 anos viveu em Quibdó, desejando que um dia o pai o levasse à pequena escola de futebol onde ensinava os miúdos da terra. Isto apesar de o primeiro sonho ter sido o de se tornar basquetebolista. O pai, Orlando Martínez, chegou a jogar na II Divisão colombiana, mas teve de abandonar o futebol quando nasceu Jackson - o primeiro filho, mais tarde nasceriam duas raparigas -, pois o dinheiro escasseava.

Leia mais na edição impressa e no epaper do DN.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.